Solo de Jazz (part. Rodrigo Zin)

Menestrel

[Menestrel]
Hoje é o vigésimo primeiro dia
Que eu não consigo nem sair da cama
Tô procurando um motivo de vida
Uma explicação de toda essa trama
Será que vou me encontrar?
Ou vou deixar me extorquir?
Não vou me vender por fama
Afinal, sou isso aqui
Numa terça-feira à tarde eu a encontrei
Precisava de um ombro amigo
Falamos sobre clássicos ouvindo um R&B
E como eu, ela também não tinha um plano B
Perguntou sobre meus amigos
O que eu achava da TV
Respondi que quero sossego
Fugir pra Trancoso com você

Quando é que vou te encontrar?
Nossas histórias se parecem tanto
Pena que tudo isso foi um sonho
Será que esqueci como amar?
No solo desse jazz eu só lamento
Pena que a vida não é como contam

[Rodrigo Zin]
Quando você vem?
É, nem sei se afirmo ou me questiono ou me propago
Nem vai sair bonito se eu compor com algo caro
Eu ouvi os gritos, fiz o show, mas algo raso
Queria conversar contigo, me afundar no caso
Toda vez que eu amo é diferente, né?
Toda queda é linda e é diferente, fé
Pense nesses sonhos como cacos
Acha que não dói se eu abraçá-los, -çá-los?
Eu pareço triste, mas é cansaço
De ser quem eu sou e tanto achar que tenho errado
Tanto em comum, tipo esses anjos em pecados
Esses anos entocado, perdão por eu ser fechado
Chato, todo verso eu chego diferente, né?
Essa poesia é eu quebrado
Conversamos sobre séries, nossa vida é um filme
Tô fazendo grana pra que não sejamos cancelados
Tô fazendo mais que grana, tão perdido, mas tão jovem
Vou perder mais uma vez, se eu voltar aqui, te falo
Se eu voltar aqui, te falo
Se eu voltar aqui, te falo

[Menestrel]
Quando é que vou te encontrar?
Nossas histórias se parecem tanto
Pena que tudo isso foi um sonho
Será que esqueci como amar?
No solo desse jazz eu só lamento
Pena que a vida não é como contam


Posts relacionados

Ver mais no Blog