Braggadocio (part. Diomedes Chinaski)

Menestrel

[Menestrel]
Muitos de vocês me honram com lábios
Porém seus corações tão distantes de mim
Quem admira alerta, não adora, e eleva, não manda recado
Cês admiram o herege mais grogue da era teen

O pico a um passo, o topo é o produto
Rap mercado negro da música escrava
Se dedica em quatro ou se desdobra em cinco
Eu vivo seis horas escritas com picaretas nas tábulas

Saqueando o reinado do rei Arthur
Surrupiei rimas que Xavier guardava a sete chaves
Psicografados oito livros na gaveta
Que destrinchavam Menestrel e as suas nove fases

Prodígio da lua, no meu sangue tem Skol
Meu pai bebeu pra me fazer, fui o esperma que nasceu redondo
Natureza e escombro, pesa igual quimono
E nos fins de relação não sou amigo e cedo o ombro

Porque nos fomos à queda
Adão e Eva e o mal do pecado
Enquanto formos nós a salvação da Terra
A Terra derramará jarros de sangue e olhares petrificados

Rezo que tenha distância de mim
O que nem merece me ver
O tabuleiro na palma, minha mão é a arma
Me odeiam tanto e eu melhor que vocês

Rezo que tenha distância de mim
O que nem merece me ver
O tabuleiro na palma, minha mão é a arma
Me odeiam tanto e eu melhor que vocês

[VDiomedes]
Tenho certeza que um dia cometo suicídio
Amo a morte mais que Freud fala da libido
Mais que os MCs ainda choram por Sulicídio
Cuzão, tira minha silhueta do lyric video

Pois posso colocar a sua no meio das flores
Qual o monstro que é mais avançado? Líriccidio
Mato Mazili e Menestrel e num é só no Instagram
Eu sou um estragado, passa o Diazepam

O Brasil é o país de agora ou do agouro?
Esse rap é um pênis no cu de Sérgio Moro
Odeio a calça de Mazili, odiei o beat
Menestrel escrevi primeiro mesmo sendo um feat

Que porra é essa, nego, eu sou senhor braggadocios
Mesmo tu escrevendo depois eu vou moer teus ossos
Se o rap é droga eu já tô morto e foi de overdose
Um rato me mordeu, morreu, Chinaskitospirose

[Menestrel]
Chinaski, peço que perdoe os cara
Porque eles só falam e cantam coisas que ninguém quer ouvir
Já não bastava discutir? Não cansam de iludir
Eles não mentem por acaso por isso não acasalam
Ainda não saímos desse impasse
Se é ou não a parte a minha aparição nisso daqui
RAP é arte com metade da idade
Provo que talento é pra quem tem
Quem não tem sobem com o faz me rir
Grampeado a uma cota, meu corpo um campo intacto
Não só game de contato, Froid é uma zona de impacto
Vontade até existe mas sempre pecam no tático
Viemos do pó, cês vão pro pó graças ao tráfico

Rezo que tenha distância de mim
O que nem merece me ver
O tabuleiro na palma, minha mão é a arma
Me odeiam tanto e eu melhor que vocês

Rezo que tenha distância de mim
O que nem merece me ver
O tabuleiro na palma, minha mão é a arma
Me odeiam tanto e eu melhor que vocês

Composição: Diomedes Chinaski / Menestrel
Enviada por João. Revisão por Carla.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog