Movimiento

Jorge Drexler

Original Tradução Original e tradução
Movimiento

Apenas nos pusimos en dos pies
Comenzamos a migrar por la sabana
Siguiendo la manada de bisontes
Más allá del horizonte, a nuevas tierras lejanas

Los niños a la espalda y expectantes
Los ojos en alerta, todo oídos
Olfateando aquel desconcertante
Paisaje nuevo, desconocido

Somos una especie en viaje
No tenemos pertenencias, sino equipaje
Vamos con el polen en el viento
Estamos vivos porque estamos en movimiento

Nunca estamos quietos
Somos trashumantes, somos
Padres, hijos, nietos y bisnietos de inmigrantes
Es más mío lo que sueño que lo que toco

Yo no soy de aquí, pero tú tampoco
Yo no soy de aquí, pero tú tampoco
De ningún lado del todo y, de todos
Lados un poco

Atravesamos desierto, glaciares, continentes
El mundo entero de extremo a extremo
Empecinados, supervivientes
El ojo en el viento y en las corrientes
La mano firme en el remo

Cargamos con nuestras guerras
Nuestras canciones de cuna
Nuestro rumbo hecho de versos
De migraciones, de hambrunas

Y así ha sido desde siempre, desde el infinito
Fuimos la gota de agua, viajando en el meteorito
Cruzamos galaxias, vacío, milenios
Buscábamos oxígeno, encontramos sueños

Apenas nos pusimos en dos pies
Y nos vimos en la sombra de la hoguera
Escuchamos la voz del desafío
Siempre miramos al río, pensando en la otra rivera

Somos una especie en viaje
No tenemos pertenencias, sino equipaje
Nunca estamos quietos, somos trashumantes
Somos padres, hijos, nietos y bisnietos de inmigrantes
Es más mío lo que sueño, que lo que toco

Yo no soy de aquí, pero tú tampoco
Yo no soy de aquí, pero tú tampoco
De ningún lado del todo y, de todos
Lados un poco

Los mismo con las canciones
Los pájaros, los alfabetos
Si quieres que algo se muera
Déjalo quieto

Movimento

Apenas ficamos em dois pés
Começamos a migrar pela savana
Seguindo o rebanho de bisontes
Mais além do horizonte, para novas terras distantes

As crianças de costas e expectantes
Olhos em alerta, todo ouvidos
Cheirando aquela desconcertante
Nova paisagem, desconhecida

Somos uma espécie em viagem
Não temos pertences, apenas a bagagem
Vamos com o pólen ao vento
Estamos vivos porque nos estamos em movimento

Nunca estamos quietos
Somos nômades, somos
Pais, filhos, netos e bisnetos de imigrantes
É mais meu o que sonho do que o quê toco

Não sou daqui, muito menos você
Não sou daqui, muito menos você
De nenhum lado do todo, de todos os
Lados um pouco

Cruzamos deserto, geleiras, continentes
O mundo inteiro de ponta a ponta
Teimosos, sobreviventes
O olho no vento e nas correntes
A mão firme no remo

Nós carregamos com nossas guerras
Nossas canções de ninar
Nosso curso feito de versos
De migrações, de fomes

E assim tem sido desde sempre, desde o infinito
Nós fomos a gota de água, viajando no meteoro
Cruzamos galáxias, vácuo, milênios
Buscávamos oxigênio, encontramos sonhos

Apenas ficamos em dois pés
E nos vimos na sombra da fogueira
Nós ouvimos a voz do desafio
Sempre olhamos para o rio, pensando na outra margem

Somos uma espécie em viagem
Nós não temos pertences, mas a bagagem
Nós nunca estamos quietos, estamos atrás da humanidade
Somos pais, filhos, netos e bisnetos de imigrantes
É mais meu o que sonho do que o que toco

Não sou daqui, muito menos você
Não sou daqui, muito menos você
De nenhum lado do todo e, de todos
Lados um pouco

O mesmo com as músicas
Os pássaros, os alfabetos
Se você quer que algo morra
Deixe-o quieto

Composição: Jorge Drexler
Enviada por jair e traduzida por Ana. Legendado por Olir. Revisões por 6 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Jorge Drexler

Ver todas as músicas de Jorge Drexler