Fidelidade

Vicente Celestino

Estava sossegado no quarto em meu leito
Lembrando os tristes dias de um sonho já desfeito
E eis que em furacão chegou aos meus ouvidos
Lamentos de um cão em uivos e gemidos
Descubro aonde está o pobre animal
Nas garras de um vizinho, de um homem bestial!
Protesto, grito, minto: Vizinho, o cão é meu!
Leve-o, diz-me o homem, mas prove que ele é teu!

E guarde, guarde-o bem, e crê que do contrário
Em pedacinhos o faço, ladrão, cão ordinário
Um cão que vem roubar de um sábio a paciência
De um cão, que rouba e come, não tenho mais clemência!

Não querendo então passar por mentiroso
Tentei levar o cão das garras do maldoso
Mas vejo com espanto que o animal protesta
Correndo alegre para o sábio lhe fazendo festa

Eu disse então ao sábio: Repara que esse cão
É mais sábio do que tu e dá-te uma lição!
Provou-te grande sábio, que és um Belzebu
Que ele é que é o sábio, e que o cão és tu

Não dê, ó grande sábio, pancada nesse cão
Tal qual esse animal já dei meu coração
Fui cão de uma mulher a quem julgava honesta
Tratou-me como um cão e eu lhe fazia festa!

Composição: Vicente Celestino
Enviada por Cesar. Revisão por Luiz.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Vicente Celestino

Ver todas as músicas de Vicente Celestino