Llucmajor

Quarto Negro

Te queria disperso, por lei ou por
delírio.
Me parte o peito em dois, pois já não
sou quem eu fui um dia.
O inverso da razão, afinal, a quem
importa?
Eu te diria se isso fosse adiantar, mas
ser sincero não me deixa ir além.

O dia ressoa o amanhã, fecha os olhos
tristes e disfarça.
Eu já não sou quem você queria.
Talvez eu nunca seja.

Por certo não preciso.
Dispenso as garantias.
Eu mesmo sempre soube,
mas quem foi que te avisou.

O dia ressoa o amanhã, fecha os olhos
tristes e me larga.
Eu sempre fui assim, jamais me
perdoei.
E mesmo ardendo em dor, sigo sempre
ao contrário.
Sozinho.
Imóvel.


Posts relacionados

Ver mais no Blog