Menilmontant

Charles Trénet

Original Tradução Original e tradução
Menilmontant

Ménilmontant mais oui madame
C'est là que j'ai laissé mon cœur
C'est là que je viens retrouver mon âme
Toute ma flamme
Tout mon bonheur...
Quand je revois ma petite église
Où les mariages allaient gaiement
Quand je revois ma vieille maison grise
Où même la brise
Parle d'antan
Elles me racontent
Comme autrefois
De jolis contes
Beaux jours passés je vous revois
Un rendez-vous
Une musique
Des yeux rêveurs tout un roman
Tout un roman d'amour poétique et pathétique
Ménilmontant !

Quand midi sonne
La vie s'éveille à nouveau
Tout résonne
De mille échos
La midinette fait sa dînette au bistro
La pipelette
Lit ses journaux
Voici la grille verte
Voici la porte ouverte
Qui grince un peu pour dire "Bonjour bonjour
Alors te v'là de retour ?"

Ménilmontant mais oui madame
C'est là que j'ai laissé mon cœur
C'est là que je viens retrouver mon âme
Toute ma flamme
Tout mon bonheur...
Quand je revois ma petite gare
Où chaque train passait joyeux
J'entends encor dans le tintamarre
Des mots bizarres
Des mots d'adieux
Je suis pas poète
Mais je suis ému,
Et dans ma tête
Y a des souvenirs jamais perdus
Un soir d'hiver
Une musique
Des yeux très doux les tiens maman
Quel beau roman d'amour poétique
Et pathétique
Ménilmontant !

Ménilmontant

Ménilmontant, sim, senhora
Foi lá onde eu deixei meu coração
Foi lá que eu acabei de encontrar minha alma
Toda minha chama
Toda minha felicidade...
Quando eu revejo minha pequena igreja
Onde os casamentos aconteciam alegremente
Quando eu revejo minha velha casa cinza
Onde até mesmo a brisa
Fala sobre o passado
Elas me contam
Como em outros tempos
Belos contos
Belos dias passados, eu lhe vejo
Um encontro
Uma música
Olhos sonhadores, um romance
Um romance de amor poético e patético
Ménilmontant!

Quando toca o sino de meio-dia
A vida desperta novamente
Tudo soa
Como mil ecos
A vendedora faz seu jantar no bistrô
O porteiro
Lê seus jornais
Eis a grade verde
Eis a porta aberta
Que range um pouco para dizer "Bom dia, bom dia
Então você voltou?"

Ménilmontant, sim, senhora
Foi lá onde eu deixei meu coração
Foi lá que eu acabei de encontrar minha alma
Toda minha chama
Toda minha felicidade...
Quando eu revejo minha pequena estação
Onde cada trem passa alegre
Eu ouço ainda nos ruídos
Palavras estranhas
Palavras de despedidas
Não sou um poeta
Mas estou emocionado,
E em minha cabeça
Há lembranças jamais perdidas
Uma noite de inverno
Uma música
Olhos muito doces os tem, mamãe
Que belo romance de amor poético
E patético
Ménilmontant!

Composição: Charles Trénet
Revisão por Andressa.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog