Ojalá

Beret

Original Tradução Original e tradução
Ojalá

Yo necesito ganas, no querer ganar
Y si algún día perdiese mi miedo a perder
Me duele haber corrido para no llegar
Ahora sé que el camino es la meta también

Ya me crecieron miedos que nunca eduqué
Y me sé las respuestas por no preguntar
Ya sentí como nadie cuando tuve el bien
Y lloré como todos cuando algo se va

Nadie te enseña a ser fuerte pero te obligan
Nunca nadie quiso un débil para confiar
Nadie te enseña los pasos en un mundo
Que te obliga cada día a poder levantarte y caminar

Donde fuiste tan feliz siempre regresarás
Aunque confundas dolor con la felicidad
Y ya no seas ni tú mismo, pero pienses en ti mismo
Y eso matará

Y ojalá nunca te abracen por última vez
Hay tantos con quien estar, pero no quien ser
Tan solo somos caminos que suelen torcer
Miles de complejos sueltos que debemos de vencer

Ojalá si te aceptasen por primera vez
Y entendiesen que es que todos merecemos bien
Que no existe una persona que no deba de tener
Ya que somos circunstancias que nunca elegimos ser

Confianza nunca volvió con el tiempo
Y el fruto de mi vida no se basa en lo que tengo
Y si todos los instantes pudiesen pasar más lentos
Si acaso dudarías esta vez en el intento

Y si entendiésemos que sí somos perfectos
A pesar de borrones que quieran manchar el lienzo
Todo es una suma, aunque eso no lo piense el resto
Una cosa es lo que soy y otra tan solo lo que muestro

Que yo ya no temo perder, sino dar por perdido
Que yo ya no quiero vencer, sino estar convencido
Que mucho antes de estar contento debo estar conmigo
Que voy a mirar a la soga pa’ decirle: Sigo

Que voy a parar de exigirme to' lo que me pido
Y voy a aprender a aceptar lo que nunca consigo
Que voy a parar de culparme, mentirme, fallarme
Decirme tarde verdades que necesito

Porque también dediqué tiempo
A quien ya no se acuerda ni de mí
También pegué los trozos
De lo mismo que después partí
Tampoco me he entendido
Y he entendido que eso será así
No he estado confundido
He estado fundido con lo peor de mí

Me mudado a problemas
Y he querido ser feliz allí
Y he dado vueltas en círculos
Por no quitarte del medio a ti
He preguntado a todos
Para poder definirme a mí
¿Cómo decirle a un río
Que se pare y deje de fluir?

Nadie te enseña a ser fuerte, pero te obligan
Nunca nadie quiso un débil para confiar
Nadie te enseña los pasos en un mundo
Que te obliga cada día a poder levantarte y caminar

Donde fuiste tan feliz siempre regresarás
Aunque confundas dolor con la felicidad
Y ya no seas ni tú mismo, pero pienses en ti mismo
Y eso matará

Y ojalá nunca te abracen por última vez
Hay tantos con quien estar, pero no quien ser
Tan solo somos caminos que suelen torcer
Miles de complejos sueltos que debemos de vencer

Ojalá si te aceptasen por primera vez
Y entendiesen que es que todos merecemos bien
Que no existe una persona que no deba de tener
Ya que somos circunstancias que nunca elegimos ser

Quem Me Dera

Eu preciso vontade, não querer ganhar
E se algum dia perdesse o meu medo de perder
Me dói ter corrido para não chegar
Agora eu sei que o caminho é a meta também

Já me cresceram medos que eu nunca eduquei
E eu sei as respostas para não perguntar
Já me senti como ninguém quando estive feliz
E eu chorei como todos quando algo vai

Ninguém te ensina você a ser forte, mas te obrigam
Ninguém nunca quis um fraco para confiar
Ninguém te ensina os passos em um mundo
Que te obriga a cada dia a poder levantar e caminhar

Onde você foi tão feliz, você voltará
Ainda que confunda dor com felicidade
E já não seja nem você mesmo, mas pense em ti mesmo
E isso matará

E tomara que nunca te abracem por última vez
Há tantos com quem estar, mas não com quem ser
Somos apenas caminhos que costumam se encontrar
Uma enorme complexidade que devemos vencer

Como seria bom se te aceitassem por primeira vez
E entendessem que todos merecemos o melhor
Que não existe uma pessoa que não mereça ter
Já que somos circunstancia que nunca escolhemos ser

Confiança nunca voltou com o tempo
E o fruto da minha vida não se baseia no que tenho
E se todos os instantes pudessem passar mais lento
Você ainda duvidaria dessa tentativa

E se entendêssemos que sim somos perfeitos
Apesar dos erros que queiram manchar o lenço
Tudo é uma soma, mesmo que isso não pense todos
Uma coisa é o que sou e outra coisa o que eu demonstro

Que eu já não temo perder, mas sim dar por perdido
Que eu já não quero vencer, mas sim estar convencido
Que muito antes de estar contente devo estar comigo
Que vou olhar a corda e dizer: Continuo

Que vou parar de me exigir tudo o que me pedem
E vou aprender a aceitar o que nunca consigo
Que vou parar de me culpar, de mentir, de me sabotar
De e dizer verdades tardias que necessito

Porque também dediquei tempo
A quem já não lembra nem de mim
Também juntei os pedaços
Daquilo que depois rasguei
Também não me entendi
E entendi que isso será assim
Não estive confundido
Estive fundido ao pior de mim

Me mudei a problemas
E quis ser feliz assim
Dei voltas em círculos
Para não tirar você do meio
Perguntei a todos
Para poder me definir
Como dizer a um rio
Que pare e deixe de fluir?

Ninguém te ensina você a ser forte, mas te obrigam
Ninguém nunca quis um fraco para confiar
Ninguém te ensina os passos em um mundo
Que te obriga a cada dia a poder levantar e caminhar

Onde você foi tão feliz, você voltará
Ainda que confunda dor com felicidade
E já não seja nem você mesmo, mas pense em ti mesmo
E isso matará

E tomara que nunca te abracem por última vez
Há tantos com quem estar, mas não com quem ser
Somos apenas caminhos que costumam se encontrar
Uma enorme complexidade que devemos vencer

E como seria bom se te aceitassem por primeira vez
E entendessem que todos merecemos o melhor
Que não existe uma pessoa que não mereça ter
Já que somos circunstancia que nunca escolhemos ser

Composição: Francisco Javier Alvarez Beret / Manuel Sanchez Rodriguez
Enviada por Darian e traduzida por Liana. Legendado por Juan e Santi. Revisões por 5 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog