El Trato

Alejandro Sanz

Original Tradução Original e tradução
El Trato

El trato era que nos amáramos hasta que desaparecieran los miedos
El trato era que nos acariciáramos hasta que nos limpiáramos el cielo
El trato era que cantáramos aunque el barco se estuviera hundiendo
El trato era que bailáramos mientras que explotaba el universo

El trato era que nos quisiéramos como si fuéramos dos perros
Los dos mojados y hambrientos bajo la lluvia, bajo la lluvia de enero
Durmiendo debajo de un puente enamorado, queriéndonos
El trato era que nos amáramos como si no tuviéramos invierno

Dime cómo era el trato
Dime cómo era el trato
Maldito trato
Que dura un rato

El trato era que nos quisiéramos sin el permiso del cielo
El trato, el trato era que nos amáramos aunque nos mandara al infierno
El trato era que el trato era sagrado y ahora, niña, se ha muerto
Que qué me pasa dicen
Que qué me pasa dicen

No podemos llegar al final de la vida en un estado perfecto
Tenemos que llegar al final de nuestros días derrapando y medio muertos
Sucios, cansados, gastados, heridos, doloridos, sonriendo
Y cuando nos paremos tú y yo, vida mía, y miremos hacia atrás, mi amor
Digamos los dos juntos
Que el viaje estuvo bueno
Maldito trato
Que dura un rato

El trato era que nos quisiéramos sin el permiso del cielo
El trato, el trato era que nos amáramos aunque nos mandara al infierno
El trato era que el trato era sagrado y eterno y ahora, niña, se ha muerto
Que qué me pasa, dicen
Qué me pasa, dicen

El trato era que nos miráramos cuando nadie nos pudiera ver
Que nos amáramos tú y yo al amanecer
Y nos perdiéramos en el agua aunque no tuviéramos sed

Que qué me pasa, dicen
¿Qué me pasa?
Qué me pasa, dicen
¿Qué me pasa?

O Trato

O trato era nos amarmos até que desaparecessem os medos
O trato era nos acariciarmos até limparmos o lodo
O trato era cantarmos ainda que o barco estivesse afundando
O trato era dançarmos enquanto se explodia o universo

O trato era nos querermos como se fôssemos dois cachorros
Os dois molhados e famintos sob a chuva, sob a chuva de janeiro
Dormindo debaixo de uma ponte apaixonada, nos amando
O trato era nos amarmos como se não tivéssemos inverno

Diga-me como era o trato
Diga-me como era o trato
Maldito trato
Que dura um instante

O trato era nos querermos sem a permissão do céu
O trato, o trato era nos amarmos ainda que nos mandassem para o inferno
O trato era que o trato era sagrado e agora, querida, ele morreu
O que acontece comigo, dizem
O que acontece comigo, dizem

Não podemos chegar ao fim da vida em perfeito estado
Temos que chegar ao final dos nossos dias derrapando e meio mortos
Sujos, cansados, desgastados, feridos, doloridos, sorrindo
E quando pararmos, você e eu, minha vida, e olharmos para trás, meu amor
Digamos os dois juntos
Que a viagem foi boa
Maldito trato
Que dura um instante

O trato era nos querermos sem a permissão do céu
O trato, o trato era nos amarmos ainda que nos mandassem ao inferno
O trato era que o trato era sagrado e eterno e agora, menina, ele morreu
O que acontece comigo, dizem
O que acontece comigo, dizem

O trato era nos olharmos quando ninguém podia nos ver
Que nos amássemos, você e eu, ao amanhecer
E nos perdêssemos na água ainda que não tivéssemos sede

E o que acontece comigo, dizem
O que acontece comigo?
O que acontece comigo, dizem
O que acontece comigo?

Enviada por ana e traduzida por Naomi. Revisões por 2 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog