O Começo do Fim

Virus

Sua verdade me da nojo, aqui amargo é o gosto
Revolta até o pescoço, igualdade ta no rosto (sinta o gosto!)
Quebrada chora se supera, pano rasga espelho trinca
Me vejo com quase trinta, bom é Deus (acredita?!)
Não vou mentir, dizer que não me envolvi, é difícil resistir
Ta aí meu mano William que não me deixa mentir (certo que sim!)
Ahh, desse tipo da onde eu vim, se era bom hoje é ruim, muito ruim, vote em mim:
O começo do fim!
O procedimento vai seguir, o proceder daqui taí
Sou assim sempre afim cada vez mais e mais do o de sí, sobressaí
Vacilei e aprendi, apanhei e bati, tava la e vi e vivi a verdade que ninguém diz por aí
Quebrada inteira sem nada, fisionomia deformada,
Da dó de ver a mulecada programada, pra matar ou morrer na balada.
(Não pega nada!)
Tão fácil conseguir, pra isso eu to aqui
Me sinto um pingo no í, faço parte daqui e daí?
Senti,
Deus no coração, senti também por que não?
Ta de bobeira ta em vão, minha contribuição?
É ser sempre mais irmão, correr sem ser em vão
É impossível passar nessa vida sem sofrer arranhão, refrão

Os louco tem que está, onde tá os louco
Os louco tem que tá

De certa forma eu voou, dar o meu parecer
Reprise de novela na tela cancela a TV
Porque aqui, a cena é real, se não gosta corta, se importa, muda de canal!
O muleque com um canhão, de repente são
Entrando em ação, descabelado
O que foi que deu errado?
S.o.s, irreversivel se pá, o estado do muleque esquece, doí na alma (calma)
Ainda não ta perdido, a força vem la do cortiço
O congresso sabe disso e se faz de morto, pouco sabe, ele deixa ele
O dele ta guardado, to admirado, cuidado com as promessa
Disse o oráculo.

E se o efeito é a tragédia, lavagem cerebral na tela
Se morre no corredor que doença era aquela?
Só enterrar ja era! Pra não perder a cena da novela?
Posso ser louco, mas to entendendo o jogo!
Quem quer dinheiro enquanto a gente rói o osso? Numa disputa
Conversa de filha da (puta!)
A vida na viela é dura, então, carolina(?), cortiço, peri, refrão

Os louco tem que está, onde tá os louco
(Rap de raiz, responda!)

Os problemas daqui nunca esteve as claras
Como se fala, mulecada se abala, to no rádio la vai bala se prepara
Chega de pala, manja a tempo se cala, caso contrario sofrimento não para
Aqui quem fala, é a voz do povo que mais sofreu
Mc que não se vendeu, a malandragem que sobreviveu (valeu)
Aqui estou eu, agradecendo a Deus por me fazer enxergar a verdade
Sei que vários dizem que não sabe, quem sabe?
Só ele sabe e conhece o poder da verdadeira verdade
(É verdade)
Direto e reto minha sentença é pegar o rap manifesto
Protesto a céu aberto, meu pequeno dialeto
Jesus é a saída, hip hop a solução!
Direto do cortiço, o vírus, ca.ge.be, refrão (corre não!)

Os louco tem que está, onde tá os louco

Composição: Virus
Enviada por jhonas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog