A Leste do Sol, Oeste da Lua.

Sagrado Coração da Terra

Aos trancos e barrancos, remendos e cacos
Chegamos as praias do terceiro milênio.
Com os pés feridos e sujos tocando de leve
o límpido oceano de Aquarius.

Com o enorme peso, o custoso fardo
da técnica sem ética da civilização
Num Mundo tão chato e moderno
atado por invisíveis teias e milhões de cabos.

Na mesma imagem, no mesmo som.
Na mesma moda, na mesma cor.
Na mesma tristeza, no mesmo sonho.
Na mesma burrice, no mesmo riso a mesma dor!

Perdemos todas as lições da História.
Em resumo: São vinte mil anos de guerras.
E em nome da tal liberdade
só fogueiras, cadeias, misérias.
E como é curta a nossa memória,
o que sabemos de lemúria e Atlantis?
E assim como os Impérios passaram
Passarão as nossas cidades.

E sobre a noite dos tempos,
a luz vigilante da estrela nos diz:
Se quem tem boca vai à Roma,
quem tem coração irá à Andromêda!

Eu sei de um lugar ao Norte do Cruzeiro do Sul
Do lado direito daquela estrela azul.
A Leste do Sol, Oeste da Lua
Guitarras e violinos cantam
Sai de casa vem brincar na rua
nas ruas deste grande País
O nome desse País reluz
O nome desse País: Amor
Quem pode dizer o nome desse grande País?

Terra, Agartha, Shamballa, Gaya, Shangrilá, Éden (2x)

Composição: Marcus Viana
Enviada por vivian. Revisão por Renato.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Sagrado Coração da Terra

Ver todas as músicas de Sagrado Coração da Terra