Brasil de Quem? (Parte 5)

MC Sid

Presidente genocida
Congresso lotado de praga que não some com inseticida
O país segue na descida
Enquanto essa corja solta fogos de artifício na torcida

Quase meio milhão de mortes por Covid, culpa desse líder covarde
A morte convida, eles brincam com a vida
E ainda tentam calar que faz arte (corvade!)
Você foi contra o lockdown desde o início
Fez algo que era complicado ser ainda mais difícil
Cortou auxílio que ajudava multidões
E não falou por que seu filho comprou uma mansão de 6 milhões
Negaram compra de vacinas 11 vezes
Investiram em tratamentos sem comprovação
Deixou o país desamparado quase 15 meses
Ironizou a morte da própria população
Fraudes com Witzel, Barbalho e Moisés
Compra de um respirador pelo preço de 10
O hospital anda mais decadente que o colégio
E no pulmão do mundo oxigênio virou privilégio
Eu vi Tatá, Tirulipa cuidando do Amazonas
Whindersson, Mendonça e Alok colocando o rosto
Comediante cuidando de crise na saúde
Enquanto político faz piada de mal gosto

O valor do gasto de saúde de um deputado hoje tá em 135 mil reais
Eu não sou bom em matemática
Mas sei que esse valor dar 540 auxílios emergenciais
A gente sabe que dinheiro não tá em falta
Mas o governo não bota nas causas essenciais
Por isso falta comida na mesa
Aluno na escola e remédio pra dentro dos hospitais
Quem me dera o problema fosse só o presidente
Era só impeachimar que a gente resolvia o caso
Mas o problema também tá nos assessores, prefeitos, ministros e nos deputados
Também tá nos delegados, donos de empreiteiras
Escolas, agências e hospitais
Todo mundo morde um pedaço da verba
E no final o trabalhador é quem se fode mais
Artista dando rolezinho, matine revoada
Saindo sem máscara, rindo e fazendo piada
Vai pro baile, vai pro bar, sempre casa lotada
Depois diz que falta leito pra senhora da quebrada
Falta leito por que desviaram grana do hospital
Falta leito por que ninguém respeitou o lockdown
O governo é genocida, crime capital
Mas sua atitude faz de tu um genocida igual
Eu me sinto remando contra a maré
Sem emprego e sem saúde, o brasileiro tá sozinho
Cês tinham tanto medo do povo virar jacaré
Que fizeram atrocidades lá em Jacarezinho

Bala perdida tem destino na periferia
Trabalhador vira bandido em toda reportagem
Combater tiro com tiro só tira mais a vida
Arma mata o bandido e acentua a bandidagem
Libera arma pro playboy ter quatro na garagem
Encher o cu de cana e atirar na namorada
Armar um povo sem estudo é pura insanidade
Política de extermínio sempre refinada
Educação pro outro lado tá sucateada
O professor pra variar tá mal remunerado
Aluno sem internet tá sendo abandonado
Por isso a boca da esquina tá sempre lotada
Quer acabar com o crime? Então investe na escola
Dignidade e infraestrutura pra quebrada
Menor precisa de perspectiva e esperança
Quando o estado não dá isso, o crime vai e abraça
Cortei fritura da dieta, olha o preço do óleo
Cortei arroz e feijão por que tá o preço da cara
Virei vegando, carne não cabe no orçamento
Virei ciclista por que a gasolina anda cara
Antigamente a moda era banheira de Nutella
Agora moda é piscina de leite condensado
Cê acha ruim o preço na estante do mercado
Nós come o juros de quem jura que não vota errado
O problema tá no egoísmo e seu excesso
Eles ficam com a janta, a gente come o resto
Ultimamente é desordem e regresso
Ainda é possível de eu falar o que penso e toma um processo?

Composição: L. L. Q
Enviada por Augusto. Legendado por Lauraaraujo.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog