Noite de S.João

Gisela João

Era noite de verão
E em véspera de São João
Toda a gente vai pra rua

Saí de camisa rosa
Saia curta perna airosa
Batom e verniz nas unhas

Saí de camisa rosa
Saia curta perna airosa
Batom e verniz nas unhas

Numa mão tinha um martelo
Que era verde e amarelo
E na outra o alho-porro

Desci até à ribeira
Com a ponte mesmo à beira
Que é de onde se vê o fogo

Desci até à ribeira
Com a ponte mesmo à beira
Que é de onde se vê o fogo

E ao chegar a Miragaia
Onde fui rodar a saia
Senti calor no decote

Quando avisto a dada altura
A comer uma fartura
O moço dos carros de choque

Quando avisto a dada altura
A comer uma fartura
O moço dos carros de choque

Ele era moreno e alto
E eu que até sou contralto
Piava fino com ele

Ficava toda nervosa
Só de ouvir aquela prosa
Que me arrepiava a pele

Ficava toda nervosa
Só de ouvir aquela prosa
Que me arrepiava a pele

Fomos juntos para a foz
E ali estávamos nós
A ver os balões no céu

Quando apareceu a Rute
Que chegou como um abutre
A dizer que ele era seu

Quando apareceu a Rute
Que chegou como um abutre
A dizer que ele era seu

Como quem salta a fogueira
Fui pra bulha disse asneiras
E esfreguei-lhe o alho-porro

E fresca como um manjerico
Engatei um mais bonito
Que apareceu em meu socorro

E fresca como um manjerico
Engatei um mais bonito
Que apareceu em meu socorro

Enviada por Mário. Legendado por Mário.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog