Cling, Clang

Prometeus

Cling, clang, lá se vão
Correntes a buscá-lo
Cling, clang, lá estão
Elas vão puxá-lo
Cling, clang, as correntes
Não querem perdoá-lo
Cling, clang, é seu fim
Só pode aceitá-lo

Da Ilha das Sombras vem um espírito incansável
Aplicando sempre um tormento inabalável
Desferindo agonia e torturando com ardor
Thresh colhe a sua alma, ele é um ceifador

Passou a sua vida a um cofre protegendo
O tempo se passava ele ia se corrompendo
A magia negra começou à o afetar
E num poço de amargura Thresh veio a se tornar

Seu rancor se liberava como o tempo se passava
Liberdade sobre tudo é o que ele procurava
Com os vários artefatos que ele podia usar
Foi ali desenvolvendo sua vontade de ceifar

Buscando novas vítimas, vagando sem parar
Um propósito a Thresh caiu-lhe a repensar
Caçando inteligentes pra depois atormentar
São poucos de suas correntes conseguiram escapar

Cling, clang, lá se vão
Correntes a buscá-lo
Cling, clang, lá estão
Elas vão puxá-lo
Cling, clang, as correntes
Não querem perdoá-lo
Cling, clang, é seu fim
Só pode aceitá-lo

A sua crueldade foi sempre lhe enaltecendo
Sem medo ou represálias, ceifando o sofrimento
Em forma de espectro o tormento não tem fim
Procura os determinados para eliminar enfim

A caixa vai te prender pra nunca mais te soltar
Com as correntes te esfolar e sua vida ceifar
Agora que me conhece, preciso falar
Cuidado comigo, ou sua alma não vou deixar escapar!

Cling, clang, lá se vão
Correntes a buscá-lo
Cling, clang, lá estão
Elas vão puxá-lo
Cling, clang, as correntes
Não querem perdoá-lo
Cling, clang, é seu fim
Só pode aceitá-lo

Posts relacionados

Ver mais no Blog