O Poderoso Café

Paula Cavalciuk

Você saiu correndo, nem esperou o café
Disse
Tô com pressa, não dá tempo, não dá pé
Eu me espreguiçando, nem tentei entender
Olhei pra sua xícara vazia e pensei
Tal qual a vida do meu bem

Hoje que você consiga ser o que precisa ser
Convença os personagens
Desse seu filme clichê
Pague as contas, pegue a grana
Engula os sapos, mas pra quê?
Também não sei
Com pessoas e momentos
Que dispensem sua atuação
Já não consegue se envolver
Se divertir, então
Quem tá com pressa, hoje
Marlon Brando, sou eu

Aquele meu escravo displicente e sisudo
Hoje eu desconheço, até parece que é mudo
De seu proprietário
Um proletário e o sistema
Controla sua vida, sua mente pequena
Mas sem chicotes, nem algemas
Que pena!

Hoje que você consiga ser o que precisa ser
Convença os personagens
Desse seu filme clichê
Pague as contas, pegue a grana
Engula os sapos, mas pra quê?
Eu não sei
Com pessoas e momentos
Que dispensem sua atuação
Já não consegue se envolver
Se divertir, então
Quem tá com pressa, hoje
Marlon Brando, sou eu

Composição: Paula Cavalciuk
Enviada por Léo.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Paula Cavalciuk

Ver todas as músicas de Paula Cavalciuk