Sonâmbulo (Do Nada Eu Apareço Na Balada) (part. Leo Santana)

Matheus Fernandes

(Matheus Fernandes!)
(Pra namorar comigo tem que entender que eu sou sonâmbulo!)
(Fala, gigante!)
(Pra namorar comigo tem que entender que eu sou—)
(Sabe por quê? Joga a mão em cima e—)

(Ei, do nada, eu apareço na balada)
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, amo a cachorrada
Toma, sua danada, vai, toma, sua danada, diga!

Do nada, eu apareço na balada
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, amo a cachorrada
(Matheus, dá papo, meu parceiro, dá papo)
(Deixa comigo, deixa comigo)

Esse é o problema, eu vou ter que te contar
Esse é o problema e eu vou ter que te contar
Eu não quero me curar, eu não quero me curar
Sabe por quê? Sabe por quê?
(Joga a mão em cima e—)

(Ei, do nada, eu apareço na balada) (explodiu!)
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, amo a cachorrada
Toma, sua danada, toma, toma, sua danada

Do nada, eu apareço na balada
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, amo a cachorrada
Toma, sua danada, vai, toma, sua danada
(Repita comigo, repita comigo, repita comigo)

(É, tem que respeitar!)
(Na pegada do gigante!)
(Vai, gigante! Vai, gigante!)

Pra namorar comigo tem que entender que eu sou sonâmbulo
Pra namorar comigo tem que entender que eu sou sonâmbulo
Pra namorar comigo tem que entender que eu sou sonâmbulo
Pra namorar comigo tem que entender que eu sou sonâmbulo
Sabe por quê? Sabe por quê?
Joga a mão em cima e (explodiram!)

Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, amo a cachorrada
Toma, sua danada, vai, toma, sua danada
Do nada, eu apareço na balada
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, eu amo a cachorrada

Esse é o problema e eu vou ter que te contar
Esse é o problema e eu vou ter que te contar
Eu não quero me curar, eu não quero me curar
Sabe por quê? Sabe por quê?

(Do nada, eu apareço na balada)
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, amo a cachorrada
Toma, sua danada, toma, toma, sua danada

Do nada, eu apareço na balada
Do nada, eu apareço na balada
É porque eu amo a cachorrada, eu amo a cachorrada
Toma, sua danada, toma, toma

(Tem, tem, tem que respeitar!)

Composição: Daniel / Luciano Kikão
Enviada por Wellyngton.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog