Anjo

Maldita

No lado obscuro da mente, existem coisas
Que não devem nunca ser ditas
Algumas delas são vistas como delicadas
Enquanto outras são bizarras demais

Abaixo ao amor, abaixo a vaidade, minha necessidade
De me multiplicar
Abaixo ao amor, abaixo a vaidade, minha necessidade
De me multiplicar

Com a asa quebrada e um amor recalcado
É o que eu tenho para te dar
Com cortes no corpo e a cabeça rachada
O meu mundo vai acabar

Eu quero que o mundo morra, para mim tanto faz
Por que eu me tornei um anjo
E eu sei que sou capaz
De ser do seu tamanho, de te enfrentar
Por que eu me tornei um anjo
E o anjo vai se vingar

Abaixo ao amor, abaixo a vaidade minha necessidade
De me multiplicar
Abaixo ao amor, abaixo a vaidade, minha necessidade
De me multiplicar

Quer abrir as asas mas não tem suspensão
Leva um tempo para se acostumar
Para mim o desprezo é fundamental
E a sua beleza me faz passar mal

Enviada por Gildacio. Revisões por 2 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog