Folhas de outono

Felipe Valente

Olhando o tempo fora do lugar
Com lápis e papel
Matando o tempo a fim de rabiscar
Todo o azul do céu

E a porta aberta traz
O vento do quintal
Soprando faz lembrar minha condição
Percebo que sou

Tão frágil
Frágil como folhas de outono
Tão frágil
Frágil como quem não tem dono

Eu deixo a luz do quarto se apagar
Pra deitar no chão
Pedindo pra teu lápis desenhar
Meu papel de pão

É fácil descansar nessa condição
Pra logo despertar vendo as folhas pelo chão
Me lembro que sou

Tão frágil
Frágil como folhas de outono
Tão frágil
Frágil como quem não tem dono

E esse vento que soprou
Me fez perceber que não estou
Tão solto assim, tão solto assim

Enviada por ROSANA. Legendado por Camilla. Revisões por 3 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Felipe Valente

Ver todas as músicas de Felipe Valente