Plano de Vôo (part. Síntese)

Criolo

E por mais que eu tente explicar, não consigo
De tornar concreto abstrato que só eu sinto
É como se eu ficasse aqui nesse cantinho
Vendo o mundo girar no erro abusivo
Ambulância sem maca, Caravan Diplomata
Golzin rebaixado, Orbital 17 " de tala larga
Zé Povinho é a praga, bicho da seda não é a traça
Traça quem quer a seda e o bicho da seda maltrata
Golpe de bumerangue, não é Tang
Cada coração é um universo e ainda tem que bombar o sangue
De cada mente pensante desse meu país insano
Num barraco de favela fermentar sonho com pranto
Do monstro que se constrói com ódio e rancor
A cada gota de bondade uma de maldade se dissipou
Várias fitas... Eis uma definição pra vida
Dos mistérios da Ilíada, daí segredo: A biqueira é forquilha
O gostoso do inverno, tio
É fazer rolê sem passar frio
A mão, a mente, o gatilho, a favela chora seus filhos
Sem GPS pra vitória, cada um faz seu destino

A vida é ritual, parto no meio do mundo a sós num salto intenso
Denso contraste do firmamento ao asfalto
Plana alto até pousar na carne e flertar com o veneno
Que espanca uma mente fraca e arranca essas mão do remo
Mesmo buscando o pleno, tantos erros ao transcender
Há um jogo pra abdicar e um fogo pra acender
Aponto as sobras de amor pra extinguir o medo das cobras
E envio cedo as palavras por não ser tarde pras obras
Ao justo a sábia sorte que não leva a alma à morte
Quando fraco que és forte, tudo aponta o Norte
Quando se pode enxergar além do que se vê, amplitude
Virtude vital já que o mal dessa paisagem ilude
Distante como um vizinho, te lembro do ninho
Onde o amor expresso é chaga viva, gesto é mais que o pergaminho
Voe, e que todo vento a bem te soe ao descobrir
A natureza da Centelha Divina que existe em si
Desato o nó da trama, enterra a discórdia no abraço
Arrebata os peito de bronze por trás das barra de aço
Se renda e entenda o que ataca, a cegueira amola a faca
Da má lida com a existência, faz a luz da essência opaca
E nas crianças o brilho tá, olho lá que é pra enxergar
Agregar o meu viver o que devemos preservar
Rumo ao amor! Não importa qual caminho trilhe
Não se ilhe, sonho que se sonha junto é o maior louvor

Composição: Criolo / Neto
Enviada por Alejandro. Legendado por Marcela. Revisões por 7 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog