LETRAS.MUS.BR - Letras de músicas

Analisando letras

Índios: confira o significado da letra do Legião Urbana

Por Lorena Camilo

26 de Setembro de 2019, às 20:00


Quem curte, ou até quem só conhece a banda Legião Urbana, sabe que as letras são muito reflexivas, afinal, esse era o diferencial da banda. Renato Russo era mestre em escrever letras cheias de metáforas e bem poéticas. Esse é o caso de Índios, lançada em 1986.

A música é daquelas que coloca todo mundo para pensar e para refletir. Aparentemente, ela fala apenas sobre o povo indígena brasileiro, mas é claro que a letra quer dizer muito mais do que isso, né? E é sobre isso que vamos falar nesse post! 😊

Entenda as metáforas por trás de “Índios”

Já reparou que no encarte do álbum Dois o título de Índios tem aspas? A música não foi registrada assim, porém Renato colocou essa pontuação como primeiro indício de que a letra da música tem várias metáforas.

Encarte do álbum Dois do Legião Urbana
Encarte do álbum Dois / Créditos: Divulgação

A princípio, a letra da canção conta sobre a chegada dos portugueses ao Brasil e sobre como foi feita a colonização.

Contudo, analisando mais profundamente, percebemos que, na verdade, os índios a quem Renato se refere na canção não são exatamente aqueles que sofreram com a invasão portuguesa em 1500, mas sim as pessoas que, ainda hoje, são puras e ingênuas e que acabam sendo prejudicadas por isso.

Por isso o uso das aspas! E, como grande compositor que era, Renato associou essas características a si mesmo. Genial, né? 👏

Cantor Renato Russo
Créditos: Divulgação

Análise verso a verso de Índios

Índios é uma música muito bonita, mas também bastante íntima e que fala bastante sobre Renato. O compositor, antes de escrever essa canção, tentou suicídio, o que fica bem evidente em alguns versos. Outra música em que Renato fala sobre suicídio é Pais e Filhos, que a gente já analisou por aqui.

Agora você já sabe do que se trata a letra, bora para a análise?

Quem me dera ao menos uma vez
Ter de volta todo o ouro que entreguei a quem
Conseguiu me convencer que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha

Essa estrofe se refere à atitude dos portugueses que, ao chegarem no Brasil, davam objetos aleatórios e, muitas vezes, sem valor para os índios. É claro que esses presentes não eram dados por amizade e afinidade. 

Os portugueses trocavam objetos sem valor comercial por ouro, por exemplo. Como os índios desconheciam a preciosidade do metal, e os colonizadores se aproveitaram da ingenuidade e da falta de conhecimento dos índios para começar a explorar as terras e o povo brasileiro.

Pintura Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro em 1500, do artista Oscar Pereira da Silva
Pintura Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro em 1500, do artista Oscar Pereira da Silva / Créditos: Divulgação

Quanto à relação pessoal de Renato, essa estrofe pode ser interpretada com o fato de o cantor não gostar de falsas amizades, de atitudes egoístas e mesquinhas ou da aproximação de pessoas por interesse, seja por dinheiro ou para se aproveitar de sua fama.

Quem me dera ao menos uma vez
Esquecer que acreditei que era por brincadeira
Que se cortava sempre um pano de chão
De linho nobre e pura seda

Neste verso, temos que entender que pano de chão, linho nobre e pura seda são metáforas. Renato faz isso para ilustrar a ingenuidade dos índios, que se iludem ao pensar que os portugueses eram amigos de verdade. 

Os índios acreditavam que a troca de presentes era apenas brincadeira, apenas por valor sentimental. Mas enquanto eles recebiam panos de chão, os portugueses recebiam ouro, que nesse verso é representado como um tecido valioso. Essa “amizade” era só interesse. Triste, né? 😢💔

Quem me dera ao menos uma vez
Explicar o que ninguém consegue entender

Os versos acima se referem à catequese religiosa que chegou ao Brasil junto com as caravelas portuguesas. Os padres passaram a impor aos índios a sua religião sem ao menos ouvir o que os eles tinham a dizer. 

Pintura histórica Primeira Missa no Brasil do artista Victor Meirelles
Pintura histórica Primeira Missa no Brasil do artista Victor Meirelles / Créditos: Divulgação

Agora, na perspectiva de Renato: o compositor queria saber explicar seus sentimentos depressivos, a sua melancolia. Ele sentia que, por mais que ele se expressasse através das palavras e das músicas, não era o suficiente, pois ninguém conseguia entendê-lo. 

Que o que aconteceu ainda está por vir
E o futuro não é mais como era antigamente

Na época dos índios, antes da colonização, o futuro provavelmente seria como o presente já era: eles iriam nascer, viver em suas terras, brincar, crescer e morrer.

Mas, com a chegada dos colonizadores, tudo mudou e o futuro veio cheio de tecnologia, de exploração às terras e ao povo brasileiro e de doenças trazidas da Europa. O futuro era incerto, mas havia uma certeza: nada voltaria a ser como era antes.

Quem me dera ao menos uma vez
Provar que quem tem mais do que precisa ter
Quase sempre se convence que não tem o bastante
Fala demais por não ter nada a dizer

Nessa estrofe, Renato demonstra que ter muito, seja sucesso, seja dinheiro ou seja fama, nem sempre é necessário, até porque as melhores coisas são as mais simples. A sociedade está acostumada a ter, a comprar, a aproveitar, a usar, a descartar e a acumular e, no fim, restam apenas pessoas vazias, tristes e sem conteúdo. 

Essa mesma crítica aparece em outras músicas do Legião, como por exemplo Geração Coca-Cola, que já analisamos por aqui.

Quem me dera ao menos uma vez
Que o mais simples fosse visto como o mais importante

Reforçando o verso anterior, essa estrofe afirma como as coisas simples significam bastante. Isso não só para os índios, mas também para o próprio Renato.

Pensando no contexto de colonização, quer dizer que os índios viviam felizes com o que tinham. Eles valorizavam muito mais a Natureza, a família, suas comidas, etc.

Mas nos deram espelhos
E vimos um mundo doente

Um dos presentes que os colonizadores deram aos índios foram espelhos. E o que aconteceu após diversas trocas de presentes? As terras brasileiras foram sendo exploradas e os índios escravizados e maltratados.

Relacionando esse verso com Renato, ele quis dizer que as pessoas apenas olham para si, se preocupam apenas consigo mesmas. Para ele, as pessoas estão cada vez mais egoístas e nada empáticas e, assim, o mundo vai ficando ruim e doente.

Quem me dera ao menos uma vez
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três

Na doutrina cristã existe a santíssima trindade, que é o Pai, o Filho e o Espírito Santo, e é justamente essa “divisão” que confunde os índios. Super compreensível, né? Todas as pessoas que são apresentadas a essa doutrina precisam de um tempinho para assimilar toda a história cristã. 

E esse mesmo Deus foi morto por vocês
Sua maldade, então, deixaram Deus tão triste

Renato fala nesse verso sobre a contradição dos humanos. Na história cristã, Pilatos perguntou aos romanos quem deveria ser crucificado: Barrabás, um assassino, ou Jesus Cristo, pessoa que ele não via motivos para condenar. Os romanos decidiram libertar o assassino e crucificar Cristo, que sofreu na cruz.

Então, nesse trecho, Renato reforça como a falsidade, a contradição de ideias e a mesquinhez humana o entristeciam.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho, entenda
Assim pude trazer você de volta pra mim

Esse é o refrão da música, e pode até parecer solto e sem sentido na primeira vez que se escuta. Só que o significado de até sangrei sozinho tem a ver com a tentativa de suicídio de Renato.

E o que ele queria trazer de volta para si? A fé em si mesmo. Isso fica mais evidente nos versos a seguir:

Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim

Renato entende que só ele é capaz de decidir sobre a sua situação, e que ele precisa ter fé de que vai conseguir para lutar contra a depressão. Já que ele sentia que os outros não entendiam o que ele estava passando, restava a ele tentar entender e se cuidar.

E é só você que tem a
Cura pro meu vício de insistir
Nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi

Somente as escolhas de Renato seriam sua cura. Em seguida, ele diz sobre sentir saudade do que não viveu, né? Isso quer dizer que, por mais que ele esteja triste, com pensamentos suicidas, uma parte dele sente vontade de viver o que está lá no futuro.

Quem me dera ao menos uma vez
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes

Aqui podemos pensar que Renato queria sentir a pureza e a ingenuidade dos índios. O cantor não vê a sociedade com bons olhos, vê de uma forma bem realista e crítica, reconhecendo as coisas ruins e ciente de que nem tudo são flores.

Quem me dera ao menos uma vez
Fazer com que o mundo saiba que seu nome
Está em tudo e mesmo assim
Ninguém lhe diz ao menos obrigado

Nesse verso o compositor quer dizer que Deus, e também os índios, deveriam ser reconhecidos por todas as coisas boas que fizeram. O que vemos acontecer, entretanto, é o oposto disso: apesar de os índios terem dado várias coisas aos colonizadores, no fim eles foram explorados e escravizados. 

Quem me dera ao menos uma vez
Como a mais bela tribo
Dos mais belos índios
Não ser atacado por ser inocente

De novo Renato se compara aos índios, que foram explorados e atacados em suas próprias terras sem motivo algum. Mas, quanto à sua vida pessoal, diversas vezes ele foi criticado por suas ações, por suas ideologias e por como se manifestava.

Ele apenas queria que o entendessem e o respeitassem, e para isso não precisavam atacá-lo e oprimi-lo. Aqui há a repetição do refrão…

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente
Tentei chorar e não consegui

No último verso da música o cantor faz referência a como nossa sociedade é machista. Vários meninos crescem ouvindo que “homem que é homem não chora”, o que oprime e os faz não saber expressar seus sentimentos. 

Quem me dera ouvir várias músicas do Legião…

Profunda a letra dessa música, né? Essa, como muitas outras músicas, fazem parte da carreira do Legião Urbana, banda que marcou e revolucionou o rock brasileiro nos anos 80 e 90.

Quer saber mais sobre o seu legado? Escrevemos sobre sua biografia, sobre Renato e sobre suas músicas mais famosas. Vem conferir!

Post Clássicos do Legião Urbana

Curte análise de músicas nacionais? Talvez você goste desses posts: