LETRAS.MUS.BR - Letras de músicas

Examinando letras

Análise: entenda o significado da música Construção, de Chico Buarque

Por Camila Fernandes

6 de Agosto de 2019, às 07:00


Construção é uma das músicas mais aclamadas de Chico Buarque: ela já foi eleita como a melhor música brasileira de todos os tempos pela revista Rolling Stone e o motivo de tanto sucesso não é segredo pra ninguém: montagem rítmica singular, letra enigmática e uma crítica social fortíssima, feita na década de 70, mas que ainda hoje faz muito sentido.

Chico Buarque
Créditos: Divulgação

O disco que traz a música Construção foi composto enquanto Chico Buarque vivia fora do Brasil por causa da ditadura militar. De volta ao país, ele chega pronto para lançar um dos trabalhos mais críticos e conceituais de toda sua história. Quer saber mais? Confira nossa análise completa da música! 

Análise da letra de Construção

Construção conta a história de um homem que sofre um acidente durante o trabalho. Em quatro momentos distintos, a narrativa nos permite entender passo a passo o que aconteceu durante o dia do trabalhador, até a tragédia final.

Existem várias teorias que tentam explicar o significado da música, principalmente pelo modo como ela foi organizada. Uma delas afirma que a troca das palavras na hora de repetir a história é uma forma de generalizar, mostrando que o acontecimento narrado é algo comum e que acontece todos os dias. Outra teoria diz que a música apresenta três formas diferentes de contar a mesma história, para mostrar que a interpretação sobre a situação pode ser bem diferente de acordo com quem narra. 

Chico Buarque já disse que não teve intenção de direcionar sua música para nenhuma dessas interpretações — a ideia era mesmo montar uma composição em blocos, como uma construção, por isso o uso das palavras com mesma sonoridade no fim das frases. Acontece que depois de pronta a música ganha vida própria, né? Além do que era a intenção do artista, várias outras interpretações podem surgir e uma não é necessariamente mais correta do que a outra.

Que tal ouvir a música completa e contar pra gente qual é a sua interpretação? É só dar o play e acompanhar nossa análise:

Primeira parte

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido

A música começa com o início do dia do trabalhador, que se despede de sua mulher e de seus filhos e sai de casa.

Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima

Chegando ao trabalho na construção, o homem sobe e começa a trabalhar como se fosse máquina. Essa afirmação pode significar duas coisas: ele trabalhava de maneira mecânica, repetindo movimentos já treinados. Ou, em outra explicação, ele era desumanizado e trabalhava em condições precárias, fazendo um trabalho mais pesado do que o corpo humano é capaz de suportar.

A palavra embotado significa algo que perdeu a energia, o vigor ou a sensibilidade. Em seus olhos embotados de cimento e lágrima podemos entender que a rotina sofrida fez com que o olhar do homem perdesse a vivacidade. 

Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música

No meio de um dia de semana, ele parou para descansar como se fosse sábado, sem se importar com o fato de ter que trabalhar. Comeu e bebeu o que tinha como se fossem as melhores coisas do mundo (e como se fizessem ele se sentir melhor do que era). No fim, ficou bêbado, dançou e riu como se tivesse algum motivo para se alegrar. 

E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão, atrapalhando o tráfego

Por acidente, ele tropeça e cai, como se fosse um bêbado e não um trabalhador. No fim, ele cai na contramão, ou seja, no lugar errado, e tudo o que faz é atrapalhar.

Segunda parte: substituição das últimas palavras

A segunda parte da música repete exatamente a mesma estrutura da primeira, alterando apenas as últimas palavras de cada verso. Apesar da mudança parecer pequena, o sentido fica bem diferente. 

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado

Ao contrário da parte anterior, nessa versão o homem já sai de casa um pouco bêbado. As palavras alteradas fazem com que o personagem pareça mais despreocupado e até irresponsável.  

Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego

Ele sobe a construção e trabalha de forma rápida, quase como mágica, apenas seguindo a lógica que já conhece. Enquanto isso, seus olhos se dividem entre o cimento e o trânsito.

Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo

E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

De certa forma, a segunda parte da música trata o caso com menos seriedade que a primeira. Já sabemos que talvez essa não fosse a intenção de Chico, mas os versos com as palavras trocadas parecem colocar mais culpa na vítima. 

Terceira parte: resumo e mais palavras trocadas

Por fim, na terceira vez a história é resumida, com dez versos a menos e novamente com as palavras finais trocadas. 

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o sábado

Os dois últimos versos dessa parte são os mais cruéis da história, resumindo o homem a alguém que, por irresponsabilidade, caiu no meio da rua e atrapalhou o dia dos outros. Por outro lado, esse resumo também pode ser visto como uma forma de tornar a história mais impessoal e generalizar a situação.

Quarta parte: estrofes de Deus Lhe Pague

Por fim, Chico termina Construção com três estrofes emprestadas de outra música, Deus Lhe Pague. Nesse contexto, a segunda música parece entrar como uma resposta do trabalhador que acabou de morrer a quem o culpou por “atrapalhar o sábado”. 

Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir
A certidão pra nascer e a concessão pra sorrir
Por me deixar respirar, por me deixar existir
Deus lhe pague

Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir
Pela fumaça e a desgraça que a gente tem que tossir
Pelos andaimes pingentes que a gente tem que cair
Deus lhe pague

Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir
E pelas moscas bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague

Essa parte é uma ironia, em que o narrador agradece por aquilo que é seu por direito, e até pelas coisas ruins que ele tem que suportar no dia a dia.

Crítica social

No início da década de 70, o Brasil tinha milhares de pessoas migrando, saindo do interior em direção às grandes capitais em busca de trabalho e melhores condições de vida. Chegando nas cidades, entretanto, encontravam uma situação bem diferente do imaginado: era difícil conseguir trabalho fixo e as condições não eram assim tão boas.

Como consequência desse e de outros fatores, a história narrada em Construção se repetia na vida de várias pessoas. A crítica trazida pela música é exatamente essa: pessoas morrem todos os dias por causa de condições ruins de trabalho (e de vida), e no fim elas acabam se tornando nada mais do que um incômodo para quem tenta seguir com a rotina apressada. Uma crítica bem profunda e sempre atual, né?

Ritmo e poesia em Construção

A letra de Construção foi escrita em formato de poesia: os 17 versos nas duas primeiras partes são divididos em quatro estrofes iguais, mais um último verso isolado que representa a conclusão. Na terceira parte são duas estrofes de três versos e a conclusão.

Além disso, a última palavra de todas as frases da música é proparoxítona — uma palavra em que a antepenúltima sílaba é a mais forte, falada com mais intensidade —, o que faz com que elas terminem no mesmo ritmo. Letra, melodia, acordes e arranjo funcionam como uma verdadeira construção, dando um aspecto mecânico à música que tem tudo a ver com a crítica que ela apresenta. Haja inteligência para uma composição como essa! 

Chico Buarque, um gênio da música brasileira

Chico Buarque é bem conhecido por suas letras complexas e difíceis de decifrar, que geram diferentes interpretações sem nunca perder o tom de provocação.

Chico Buarque
Créditos: Divulgação

Mas nem só de críticas se faz Chico: o cantor também é dono de várias músicas românticas e o que não falta em suas composições é poesia. Que tal apreciar um pouquinho mais esse grande talento da música brasileira? Ouça as melhores músicas de Chico Buarque!