Analisando letras

Análise da música Tigresa, de Caetano Veloso

Por Renata Arruda

27 de Outubro de 2020, às 12:00


Um dos maiores nomes da música brasileira, Caetano Veloso é dono de maravilhosas canções que marcaram a história. E, como não podia deixar de ser, muitas delas foram criadas a partir de musas inspiradoras.

Uma das mais conhecidas é Tigresa, música lançada em 1977, no álbum Bicho, que se tornou um grande sucesso na voz de Gal Costa. 

Gal Costa e Caetano Veloso Tigresa
Gal e Caetano / Créditos: Divulgação

Durante muitos anos, todos diziam que a musa inspiradora era unicamente Sônia Braga, até o cantor revelar que a canção talvez tenha mais da Zezé Motta; tem de algumas mulheres cujos nomes nem sei, mas que eu via naquela altura, no Dancin’ Days, na noite.

Vem conferir nossa análise da música Tigresa, de Caetano Veloso, e saber mais sobre essa história!

Análise da música Tigresa, de Caetano Veloso

Desde seu lançamento, muito se especulou sobre quem seria a musa inspiradora da música Tigresa.

Acreditou-se que ela seria Sônia Braga: isso porque a faixa foi tema da personagem Cínthia Levy, interpretada pela atriz na novela Espelho Mágico.

Além disso, há outras referências a Sônia na letra: ela, de fato, se interessava por política em 1966 e integrou o elenco do musical Hair, em 1967. Portanto, há muito da atriz na letra.

Caetano e Sônia Braga
Caetano e Sônia Braga / Créditos: Divulgação

No entanto, Caetano revelou que outra mulher inspirou a canção: Zezé Motta. Mais recentemente, ele escreveu:

A música Tigresa foi escrita na época da [discoteca] Dancin’ Days. Zezé tinha as unhas pintadas de preto. A figura física da Tigresa veio muito mesmo de Zezé. E ela sabe disso. Mas a canção não é sobre ela só. Tem muito Sônia e pensamentos sobre as mulheres daquele tempo

Com isso em mente, vamos ver a análise da letra, estrofe a estrofe?

Uma tigresa de unhas negras e íris cor de mel
Uma mulher, uma beleza que me aconteceu
Esfregando a pele de ouro marrom do seu corpo contra o meu
Me falou que o mal é bom, e o bem, cruel

Segundo Caetano, o álbum Bicho, de onde sai a canção, surgiu após uma viagem feita à Nigéria, na qual o músico se aproximou da cultura local e voltou interessado em se aproximar da cultura das discotecas e do movimento contracultural Black Rio, que estava começando.

Voltando à música, percebemos na estrofe acima que Caetano se mostra encantado por uma mulher de pele escura, com quem ele parece estar dançando (ou dando uns amassos).

O verso me falou que o mal é bom, e o bem, cruel é interessante se levarmos em consideração o contexto da época em que o “bem” significava a repressão e o “mal” era tudo o que fosse considerado subversivo.

Enquanto os pelos dessa deusa tremem ao vento ateu
Ela me conta, sem certeza, tudo o que viveu
Que gostava de política em 1966
E hoje dança no Frenetic Dancing Days

Aqui, o cantor menciona a boate carioca Dancin’ Days, que pertencia ao jornalista e produtor musical Nelson Motta, como o local onde se manifesta uma espécie de resistência cultural.

Fica implícito que a mulher passou por um despertar de consciência: vale lembrar que os anos 60 marcaram o início dos movimentos contraculturais, como os movimentos feministas, e a instauração da ditadura militar no Brasil.

Assim, há uma evolução natural do interesse dela por política no passado: consciente e liberta, ela agora dança livremente na discoteca, sabendo que o movimento do seu corpo negro também é político.

Há também uma alfinetada do compositor na chamada “arte engajada” da época, que considerava como alienada toda manifestação artística que não fosse abertamente politizada, como a Tropicália e o desbunde.

Ela me conta que era atriz e trabalhou no Hair
Com alguns homens foi feliz, com outros foi mulher
Que tem muito ódio no coração, que tem dado muito amor
E espalhado muito prazer e muita dor

Lembrando que Caetano afirmou ter se inspirado nas mulheres daquele tempo, a maioria influenciada por ideais feministas e/ou contraculturais, como o próprio musical Hair, os versos acima mais uma vez falam da emancipação feminina.

Os versos, cheios de sensualidade e duplo sentido, mostram o quanto essa mulher agora vive plenamente a sua liberdade sexual e que, mesmo com muito ódio no coração, ela encontra espaço para espalhar prazer e amor.

Mas ela ao mesmo tempo diz que tudo vai mudar
Porque ela vai ser o que quis, inventando um lugar
Onde a gente e a natureza feliz vivam sempre em comunhão
E a tigresa possa mais do que o leão

Os versos acima deixam clara a perspectiva feminista da letra. A mulher da canção é otimista em relação ao futuro: mesmo que as perspectivas sejam sombrias, a mudança acontecerá de qualquer maneira.

Ela agora sabe que pode escolher ser aquilo que quiser, e não apenas ocupar o lugar que a sociedade impõe.

E pode ainda vislumbrar uma sociedade na qual todos são iguais e têm os mesmos direitos, sem que a mulher (tigresa) precise se submeter ao homem (leão).

As garras da felina me marcaram o coração
Mas as besteiras de menina que ela disse, não
E eu corri pra o violão num lamento, e a manhã nasceu azul
Como é bom poder tocar um instrumento

Ainda assim, o sujeito da canção afirma ter sido marcado mais pela presença física da mulher do que pelas coisas que ela disse, consideradas como besteiras de menina.

Mas a verdade é que ela arrebatou o compositor de tal maneira que ele ficou sem palavras: sua única reação foi correr para o violão e eternizá-la na canção.

Um pouco mais sobre as musas de Tigresa

Como vimos, Tigresa teve duas grandes musas inspiradoras: as atrizes Zezé Motta e Sônia Braga. Agora, vem descobrir o que elas disseram sobre o assunto:

Em 2008, Sônia Braga esclareceu em entrevista que a canção não era pra ela:

Vou confessar uma coisa: Tigresa não foi feita para mim. Na verdade, ela foi tema de um personagem que fiz na novela Espelho Mágico. A música que Caetano fez para mim foi Trem Das Cores. Isso, depois de uma viagem que fizemos, juntos, no trem entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Portanto, Tigresa eu roubei e ficou como sendo feita para mim.

Já Zezé Motta pareceu muito lisonjeada ao descobrir sua influência na música: Foi um presente lindo no início de 2015 saber que fui a musa inspiradora de Tigresa. Na época, quando essa inspiração era boato, eu ficava tímida sobre o assunto, declarou.

Zezé Motta
Zezé Motta / Créditos: Divulgação

Por sua vez, Caetano Veloso decidiu encerrar esse assunto dizendo: Finalmente, eu preferia fazer como Flaubert (que disse Madame Bovary c’est moi): a Tigresa sou eu.

Frases de Caetano Veloso

Gostou de ler nossa análise da música Tigresa? Então aproveita e vem conferir também uma seleção de 66 frases do Caetano para inspirar seu dia!

frases caetano veloso

Confira mais posts sobre Caetano Veloso:

Receba os melhores posts do blog em seu e-mail

Assine a newsletter gratuitamente

Por favor, insira um e-mail válido.

Obrigado por assinar a nossa newsletter! 😊

Ops, rolou um erro na inscrição. Tente novamente mais tarde.