Carta

Silvana Estrada

Original Tradução Original e tradução
Carta

Yo sé que eres libre de irte
Como también de quedarte
Hasta que afinemos gestos
Y olvidarnos del lenguaje

Que baste con la mirada
Para decir que te quiero
Que baste con un suspiro
Para descifrar tus miedos

Quizá por eso te vas
Quizá por eso regresas
Por la nueva seriedad
Insoportable que nos aterra

Por eso este mantenerle
Olvido a la soledad
Pero es que cuando nos vamos
Los dos volteamos atrás

Y puede que eso sea cierto
Y un día también me iré
Que el amor no dura un siglo
Y el río no corre al revés

Y puede que se equivoquen
Y el miedo nos juegue mal
Y por ahorrarnos dolores
El viento nos deje atrás

Yo sé que seguro encuentras
Un beso que sepa igual
A mis labios que ahora te nombran
Quedito pa' no afrontar

Que yo te propongo un trato
Porque ya no puedo más
Con este constante intento
De huir para regresar

Propongo mirarnos lento
Y hacer de la piel hogar
Fugarnos a cielo abierto
Y rehacer nuestra idea del mar

Volver a inventar el tiempo
Dejar las armas en paz
Ver sentido al movimiento
De un paso que no va atrás

Y puede que eso sea cierto
Y un día también me iré
Que el amor no dura un siglo
Y el río no corre al revés

Y puede que se equivoquen
Y el miedo nos juegue mal
Y por ahorrarnos dolores
El viento nos deje atrás

Y puede que eso sea cierto
Y un día también me iré
Que el amor no dura un siglo
Y el río no corre al revés

Y puede que se equivoquen
Y el miedo nos juegue mal
Y por ahorrarnos dolores
El viento nos deje atrás

Nos deje atrás

Papel

Eu sei que você está livre para ir
Como também de ficar
Até ajustarmos os gestos
E esqueçamos a linguagem

Que um olhar seja suficiente
Para dizer que te amo
Que um suspiro seja suficiente
Para decifrar os seus medos

Talvez seja por isso você vai embora
Talvez seja por isso você volta
Para a nova seriedade
Insuportável que nos aterroriza

É por isso que isto o mantém
Eu esqueço a solidão
Mas é que quando partimos
Ambos voltamos para trás

E pode ser que isso seja verdade
E um dia eu também vá embora
Que o amor não dura um século
E o rio não corre para trás

E eles podem estar errados
E o medo nos faça mal
E para nos poupar a dor
O vento nos deixe para trás

Eu sei que você certamente encontrará
Um beijo com o mesmo gosto
Aos meus lábios que agora te nomeiam
Eu fico para não enfrentar

Que eu te proponha um acordo
Porque não aguento mais
Com esta tentativa constante
De fugir para voltar atrás

Proponho nos olharmos devagar
E fazer da pele um lar
Fugirmos para o céu aberto
E refazer nossa ideia do mar

Voltar a inventar o tempo
Deixar as armas em paz
Para ver o significado do movimento
De um passo que não volta atrás

E pode ser que isso seja verdade
E um dia eu também vá embora
Que o amor não dura um século
E o rio não corre para trás

E eles podem estar errados
E o medo nos faça mal
E para nos poupar a dor
O vento nos deixe para trás

E pode ser que isso seja verdade
E um dia eu também vá embora
Que o amor não dura um século
E o rio não corre para trás

E eles podem estar errados
E o medo nos faça mal
E para nos poupar a dor
O vento nos deixe para trás

Nos deixe para trás

Composição: Silvana Estrada
Enviada por Mónica e traduzida por Matheus.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Silvana Estrada

Ver todas as músicas de Silvana Estrada