História de Um Azarado

Léo Canhoto e Robertinho

Eu vou contar minha história: Sou maior de idade
Feio, fedido, pobre, careca, desdentado
Moro longe e nunca fui vacinado também nunca tive uma namorada
Até que um dia meu pai me chamou e me falou assim

Vem aqui filho de um burro presta muita atenção
De hoje há quinze dias é a sua união
Te arranjei um casamento é um negocio muito bom
A moça é muito rica tem dinheiro de montão
Você só vai conhecê-la depois da celebração
Me obedeça filho meu se não tu entra no ferrão

Eu só vi a cara dela na igreja de São João
Quando padre perguntou eu quase falei que não
Porém eu só dei o sim, o seu pai é valentão
Bem em pé perto de mim ele pisou no meu dedão
Picando fumo de corda com um baita de um facão
Tinha um capanga do lado me apontando um garruchão

Eu só pensava na nossa Lua de mel
Sem saber que ela seria mais amarga que o fel

Daí nos fomos pro quarto, foi aquela confusão
Quando ela quis me beijar sua dentadura foi ao chão
Sua peruca voou longe, foi grande a decepção
Sua cabeça era lisa parecia um melão
Ela foi tirando a roupa eu fiquei na marcação
Uma teta era borracha a outra de papelão

Tirou uma perna de pau não tinha sangue nem veia
Arrancou um olho de vidro colocou dentro da meia
Ela disse meu benzinho por você meu peito anseia
Sacudi sua cabeça já caiu uma orelha
Eu fiquei paralisado igual mosquito na teia
E o bumbum era de plástico meu Deus que coisa feia

Senhor juiz eu preciso lhe falar
Tenha dó senhor juiz eu quero me divorciar

Composição: Pedro Canela
Enviada por laelia. Revisões por 3 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Léo Canhoto e Robertinho

Ver todas as músicas de Léo Canhoto e Robertinho