A Vida de Muitos

Facção Central

Tenho que agradecer
Esses anos!
Primeiramente a Deus
Que eu amo!
E agradeço também todas as pessoas que
Contribuíram direta e indiretamente nesse projeto
Rap Nacional!
Muito obrigado Fáccionarios
Muito obrigado Fáccionarias
Todos esses anos!
Somos a voz da Periferia
Que eu amo!
Somos a voz da maioria
Somos Facção Central
Somos rap Nacional
Sou rap Nacional!

Muito Sangue Narrado por Facção Central
Realidade Cruel e Cirurgia Moral
Máximo Respeito aos pioneiros
Naldinho, Dmn, Cambio Negro
Rap pancada no ringue, Mano Cahegi consciente
Venenoso, linha de frente no DF
Só tenho a agradecer, Racionais MC's, Holocausto Urbano
Ei, boy (o que você esta fazendo aqui?)
Primeira vez que eu vi, o quarteto ao vivo
Beco sem saída, mexeu comigo
Mudou meus pensamentos, transformou minha vida
Me fez escolher entre o rap e a vida bandida

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

Anos 80' e 90' nos cortiços do centro
Não me acostumo com racismo e preconceito
Policia na 106 e eu com fome de paz
O demônio atormentando testando o meu gás

O Jogo é sujo e barato
São muitos João Pedro morrendo metralhado
O ódio rasga a carne, a fome humilha o gueto
Espancado nos enquadro simplesmente por ser preto

Cê viu, filmou, litros de sangue derramado?
Coroa de flor, vela acesa, caixão lacrado
Se é sangue que 'cês quer então toma porra
Assumam os seus atos, peixe morre pela boca

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

Hoje sou Facção Central nessa porra
A voz do periférico, no mundão, nas babilônia
Quem caminhou comigo no vale de ossos
Fáccionarios, Fáccionarias, muitos irmãos foram mortos

Fui aquele moleque sem camisa descalço
Criou asas e esperança, te guia lá do alto
Facção até a morte contra o algoz
Sou Facção Central enquanto der a minha voz

Facção Central enquanto o tiro não disparar
Facção Central enquanto a tampa do caixão não fechar
Narro a dor, a revolta, o ódio, a guerra
Sou Facção Central, sou cortiço, sou Favela

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

O sangue que eu derramei todos esses anos
Foi alma que eu entreguei ao povo que eu amo
Sou a vida de muitos, sou Facção Central
Eu sou a favela, sou rap Nacional

Composição: Deborah Crespo / DumDum FC
Enviada por Flávio.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog