Sempre Só

Beth Carvalho

Sempre só, o meu samba não desmente
O que os olhos não escondem
A tristeza tão presente
Na mágoa tão forte
Nas rugas do rosto
Nesse meu desgosto sem fim

Mesmo que eu chegue sem sorriso
Deixa-me passar com essa dor
Sofri, mas prá poeta foi preciso
Saber casar o espinho com a flor
Quem é que sabe dos degraus desta vida é Deus
A luz é negra, oô, e o teatro dos prantos também

Vou tão só, nos meus versos sempre só

Composição: Edmundo Souto
Enviada por Nelson.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog