Nesta noite prateada
Minh'eterna e doce amada
A chamar-te me insinua

Nos acordes desta lira
Que de amor geme e suspira
Ante o albor níveo da Lua

O rendado da neblina
Mais parece uma cortina
Numa festa de noivado

A noiva é a Lua bela
Recostada na janela
De um palácio constelado

Desperta!
Vem matar o meu desejo
A minh'alma vaga incerta
À procura do teu beijo

Dileta!
Tu formosa e eu poeta
Quero para os tristes versos meus
As rimas dos beijos teus

Que beleza nas estrelas
Ah! Se tu pudesses vê-las
Como estão no céu sorrindo

Espreitando com cautela
Pelas frestas da janela
Do quarto onde estas dormindo

A minh'alma que sonhando
Geme e chora te chamando
Pelo espaço como louca

Ah, se a aurora despontasse
Quem dera que encontrasse
A beijar a tua boca

Desperta, vem matar meu desejo
A minh'alma, vaga incerta
A procura do teu beijo

Dileta!
Tu formosa e eu poeta
Quero para os tristes versos meus
As rimas dos teus
Dileta!
Tu formosa e eu poeta
Quero para os tristes versos meus
As rimas dos beijos teu

Composição: Cândido Das Nevesi
Enviada por José. Revisão por Luiz.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Vicente Celestino

Ver todas as músicas de Vicente Celestino