Vento do Metrô

Vanguart

Eu tô cansado de tentar o grande amor
E tô cansado de tentar apagar essa dor
Mas se tudo é experiência, eu quero a ciência
De poder gostar de mim como eu sou

Eu sou a ponta que você desperdiçou
Eu sou a onda brava que você quebrou
A mancha roxa da tua coxa
O corte no teu lábio seco
O vento que sacode o teu cabelo no metrô

A vida é curta pra gente viver assim
E a esperança dança no fundo de mim
Porque tudo vale algum amor
Porque tudo vale algum amor

Me acostumei a viver sempre por um triz
Já não aceito a culpa pelo que eu não fiz
E a envelhecida adolescência me traz a consciência
De poder seguir em frente como eu sou
Enfim, como eu sou

O teu cabelo amarelo cabe em qualquer coração
Eu me desfaço igual gelo quando encosta no vulcão

Essa é a chuva que tardou tanto em chegar
Esse é o escuro que se adianta pra brilhar
Esse é o gesso que se quebra
O osso que se regenera
É a alegria que já não se espera que chegou
Que enfim chegou

A vida é curta pra gente viver assim
E a esperança dança no fundo de mim
Eu me liberto, então eu digo sim
Porque tudo vale algum amor
Porque tudo vale algum amor
Porque eu sou do jeito que eu sou
Tudo vale algum amor


Posts relacionados

Ver mais no Blog