Vermelho como o sangue de milhares de cabeças
Que foram massacradas, humilhadas, decepadas
Vem lá daquele mastro, hasteada a tal bandeira
E o símbolo marcado enfatizando a tal fronteira
Adolf me lembra só agonia, sangue, dor, lágrimas e melancolia
Adolf me lembra restos mortais que foram resultado das diferenças raciais
Adolf me lembra destruição de assistir ao chumbo quente entrando em um coração
Adolf lembra racismo e me dói ver alguns jovens filiando-se ao seu fascismo
Num mundo sem fronteiras só de cooperação
Seriamos todos amigos, seriamos todos irmãos
Sem estados, sem limites, sem países, sem fronteiras
Vermelho, preto e branco não será mais sua bandeira


Posts relacionados

Ver mais no Blog