Pedro Navaja (part. Willie Colon)

Ruben Blades

Original Tradução Original e tradução
Pedro Navaja (part. Willie Colon)

Por la esquina del viejo barrio lo vi pasar
Con el tumbao' que tienen los guapos al caminar
Las manos siempre en los bolsillos de su gabán
Pa' que no sepan en cuál de ellas lleva el puñal

Usa un sombrero de ala ancha de medio lao'
Y zapatillas por si hay problemas salir volao'
Lentes oscuros pa' que no sepan qué está mirando

Y un diente de oro que cuando ríe se ve brillando
Como a tres cuadras de aquella esquina una mujer
Va recorriendo la acera entera por quinta vez

Y en un zaguán entra y se da un trago para olvidar
Que el día está flojo y no hay clientes pa' trabajar
Un carro pasa muy despacito por la avenida
No tiene marcas, pero to' saben ques' policía uhm
Pedro Navaja las manos siempre dentro el gabán

Mira y sonríe y el diente de oro vuelve a brillar
Mientras camina pasa la vista de esquina a esquina
No se ve un alma está desierta toa' la avenida
Cuando de pronto esa mujer sale del zaguán
Y Pedro Navaja aprieta un puño dentro 'el gabán

Mira pa' un lado mira pa'l otro y no ve a nadie
Y a la carrera, pero sin ruido cruza la calle
Y mientras tanto en la otra acera va esa mujer
Refunfuñando pues no hizo pesos con qué comer

Mientras camina del viejo abrigo saca un revolver, esa mujer
Y va a guardarlo en su cartera pa' que no estorbe
Un treinta y ocho smith and wilson del especial
Que carga encima pa' que la libre de todo mal

Y Pedro Navaja puñal en mano le fue pa' encima
El diente de oro iba alumbrando toa' la avenida, ¡hizo fácil!
Mientras reía el puñal le hundía sin compasión
Cuando de pronto sonó un disparo como un cañón
Y Pedro Navaja cayó en la acera mientras veía, a esa mujer
Que revolver en mano y de muerte herida a el le decía
Yo que pensaba: Hoy no es mi día, estoy salá
Pero Pedro Navaja tu estás peor, no estás en na'

Y créanme gente que aunque hubo ruido nadie salió
No hubo curiosos, no hubo preguntas nadie lloró
Solo un borracho con los dos cuerpos se tropezó
Cogió el revólver, el puñal, los pesos y se marchó
Y tropezando se fue cantando desafínao'
El coro que aquí les traje y da el mensaje de mi canción

La vida te da sorpresas, sorpresas te da la vida ay Dios
Pedro navajas matón de esquina
Quien a hierro mata, a hierro termina

La vida te da sorpresas, sorpresas te da la vida ay Dios
Valiente pescador, al anzuelo que tiraste
En vez de una sardina, un tiburón enganchaste

I like too live in América
La vida te da sorpresas, sorpresas te da la vida ay Dios
Ocho millones de historias tiene la ciudad de Nueva York
La vida te da sorpresas, sorpresas te da la vida, ay Dios
Como decía mi abuelita, el que de último ríe, se ríe mejor
La la la la la la la, la la la la la la la
I like to live in América
La vida te da sorpresas, sorpresas te da la vida, ay Dios
Cuando lo manda el destino, no lo cambia ni el más bravo
Si nacístes pa' martillo, del cielo te caen los clavos
La vida te da sorpresas sorpresas te da la vida ay Dios
En barrio de guapos, cuidao en la acera
Cuidao' cámara que el no corre, vuela
La vida te da sorpresas sorpresas te da la vida, ay Dios
Como en una novela de Kafka, el borracho dobló por el callejón
La vida te da

Pedro Navaja

Pela esquina do velho bairro o vi passar
Com o gingado que têm os galãs ao caminha
As mãos sempre nos bolsos de seu sobretudo
Pra que não saibam em qual delas leva o punhal
Usa um chapéu de aba larga um pouco pro lado
E sapatos para sair voando caso haja problemas
Óculos escuros para que não saibam o que está olhando
E um dente de ouro que quando ri, brilha
A umas três quadras daquela esquina uma mulher
Vai percorrendo a calçada inteira pela quinta vez
E num terraço entra e toma um trago para esquecer
Que o dia está frouxo e não há clientes pra trabalhar
Um carro passa bem devagar pela avenida
Não tem marcas, mas todos sabem que é a polícia
Pedro navaja, as mãos sempre dentro do sobretudo
Olha e sorri e o dente de ouro volta a brilhar
Enquanto caminha passa a vista de esquina a esquina
Não se vê sequer uma alma, está deserta toda a avenida
Quando de repente essa mulher sai do terraço
E Pedro Navaja aperta um punho dentro do sobretudo

Olha pra um lado, olha pro outro e não vê ninguém
E correndo, mas sem fazer barulho, cruza a rua
E enquanto isso na outra calçada vai essa mulher
Resmungando, pois não ganhou dinheiro pra comer

Enquanto caminha do velho casaco tira um revólver, essa mulher
Ia guardá-lo na sua carteira para que não incomode
Um 38 Smith e Wilson do especial
Que carrega em cima para que a livre de todo mal

E Pedro navaja punhal em mãos foi pra cima dela
O dente de ouro ia iluminando toda a avenida (ficou fácil pra ele!)
Enquanto ria o punhal lhe afundava sem compaixão
Quando soou de repente um disparo como um canhão
E Pedro navaja caiu na calçada enquanto via essa mulher
Que revólver em mãos e ferida de morte lhe dizia
Eu que pensava 'hoje não é meu dia, estou azarada
Mas, Pedro Navaja, você tá pior, não tá com nada

E acreditem, meu povo, que embora tenha tido barulho ninguém saiu
Não houve curiosos, não houve perguntas, ninguém chorou
Só um bêbado com os dois corpos tropeçou
Pegou o revólver, o punhal, o dinheiro e foi embora
E tropeçando se foi cantando desafinado
O coro que aqui lhes trouxe e que é a mensagem da minha canção

A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
Pedro navaja marginal de esquina
Quem a ferro fere com ferro será ferido

A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
Valente pescador, o anzol que você jogou
Em vez de uma sardinha foi um tubarão que mordeu

Eu gosto de viver na América
A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
A cidade de Nova Iorque tem oito milhões de histórias
A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
Como diria minha vovó, quem ri por último ri melhor
La la la la la la la, la la la la la la la
Eu gosto de viver na Ameríca
A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
Quando está é coisa do destino, nem o mais valente pode mudar
Se você nasceu para ser martelo, os pregos cairão do céu para você
A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
No bairro de gente bonita, tome cuidado na calçada
Cuidado, camarada, quem não corre voa
A vida te dá surpresas, surpresas te dá a vida, ai Deus!
Como numa história do Kafka, o bêbado virou a rua sem saída
A vida te dá

Composição: R. Blades
Revisões por 2 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog