Súplica À Humanidade (Um Pelo Outro)

Rodrigo Alarcon

Que medo, meu Deus
Do futuro
Do presente
Dessa gente que sabe de tudo
E não sabe é de nada
Do presente
Quanto mais do futuro
Do futuro de gente

Que medo, meu Deus
Do passado
De olhar para frente
Perceber que ele anda bem ao meu lado
Que me funga o cangote
Que tem cheiro de sangue

Tão triste é perceber que existir ainda é tão perigoso
Por que eles não querem ver o nosso gozo por aí
Pior é perceber
Já faz tempo e a gente ainda vem
Flertando com cadáveres
Gente morta

Humanidade
Por que te custa a humanidade?
Quando tudo que importa é a dignidade
E essa independe de
Cor
Credo
Classe
Sexo
Idade
Precificar a vida
Qualificar o amor
Quantificar a existência
Quantos existem?
Todos
O que te custa entender?
Quanto te custa entender?
Isso não deveria ter preço
Então chega
Chega de negar existência
Chega de botar gente na balança
Pouco me importa o peso
Por que esse eu não aguento mais carregar
Eu to cansado
Você ta cansado
A gente ta cansado
Então bora dividir
Compartilhar
Não tem mais tempo a perder mas ainda da tempo
Posso contar?

Da pra ser bom viver
E existir pode ser tão gostoso
Já imaginou todo mundo sem medo por aí?
Sem ter que se esconder
Por isso eu peço
Vem
Vamos virar o jogo
Um pelo outro


Posts relacionados

Ver mais no Blog