Destino Marcado

Ricardo Ribeiro

O fado tem não sei quê
Que prende a vida da gente
Um nada que se não vê
Um tudo que a gente sente

Eu dei a vida a valer
Nada mais podia dar
Agora para viver
Vivo sim, mas a cantar

Vinha o destino marcado
Pois logo de pequenino
Fiz do destino dum fado
O fado do meu destino

Se a tristeza ao fado assiste
E o fado assim extasia
Prefiro ser sempre triste
P'ra não morrer de alegria

A minha vida renasce
Neste meu canto magoado
Cada um é pro que nasce
E eu nasci para o fado

Composição: Fernando Farínha / Popular *fado menor*
Enviada por Mário.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog