Boneca de Porcelana

Ricardo Ribeiro

Boneca de porcelana
Chamei-te um dia, a brincar
Talvez por louco me tomem
Qualquer pessoa se engana
Errei, por tal te chamar
Errar é próprio do homem

Como joia de valia
Peça da mais rara arte
Ou coisa d'estimação
Coloquei-te nesse dia
Num lugar que tinha à parte
Dentro do meu coração

Afinal, és o contrário
E eu pobre cego não via
Que és objeto comum
Peça de barro ordinário
Não passas de fantasia
Coisa sem valor algum

Mesmo assim, fico pensando
Que apenas quero viver
P'ra este amor que te dou
Sei que continuo errando
Errar continua a ser
Próprio do homem que sou

Composição: António Rocha / Casimiro Ramos *fado três bairros*
Enviada por Mário.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog