Aprenda inglês com a maior plataforma de letra de música da América Latina
Participar

RESIDENTE (BZRP Music Sessions #49)

Residente

Original Tradução Original e tradução
RESIDENTE (BZRP Music Sessions #49)

[Capítulo 1]

Estoy un poco intranquilo mientras el género urbano vigilo
Asomando la mirada como un cocodrilo en el río Nilo
Ajustando un par de cuenta' pendiente' ante' de que llegue Milo

Sentado en una silla bajo una sombrilla en camisilla
Con el perro mordiéndome la' zapatilla'
Eructando tortilla' y las tostadas con mantequilla
Apuntando al horizonte con un rifle sin mirilla

Mientra' hablo solo como Don Quijote
Con espuma de cerveza en el bigote
Esperando a que estos hot dogs salgan del camarote
Como un brote, ante' de que se les hunda el bote

Pero como siempre, la mierda sale a flote
Estoy prepara'o pa' darle a estos soplapote' hasta que el cartucho se me agote
Hoy les tumbo el marketing de un tirón
Como tumbamo' las estatua' de Cristóbal Colón

Yo rompo esta' chatarra'
Como rockero en los 80 rompiendo su guitarra
Con el Resi, tú te embarra'
Hasta mis verso' se volvieron alcoholico'
Porque hay demasiadas barra'

Yo vengo del calentón
Desde Trujillo suenan los tambore' en la' calle', ro-po-pom-pom
No hay discusión, hasta mi hermano Don
Sabe que en el rap hay un solo King Kong

Mandando fuego, esto es White Lion, no hay juego
Como en los tiempo' de Voltio con Tego
Tú y yo no somos iguale'
Yo no creo en las estrella' de las plataforma' digitale'
Ni en tu' Billboards de cremita de pastel
Ni en tus historia' de Instagram
Dolce & Gabbana y Cartier
Solo creo en mi nivel
Y en el carbón de mi lápi' corriendo por encima del papel

Esto lo hago pa' divertirme
Pa' divertirme, pa' divertirme
Esto lo hago pa' divertirme
Pa' divertirme, pa' divertirme

Como ya mismo me voy
Me voy a llevar un par antes de irme

[Capítulo 2]

Hoy me cojo a la industria de la fama
Hasta romperle los resorte' a la cama
Cuando mi palabreo se derrama, me los cojo sin pijama
Vertical y horizontal, como en un crucigrama

En las tiraera', soy el terror de los terrore' de esta era
Para esto' perdedores las primavera' ya no son multicolore'
Porque donde tiro un punchline dejan de crecer las flore'

Son artista' de quinta
Que escriben meno' que un bolígrafo sin tinta
Cuando me ven, se descomponen
Color blanco pálido como los diente' de embuste que se ponen

Cuando la gorra con la R se avecina
En la tarima entera empieza a oler a granja campesina
Porque estos rapero', de mentira, se vuelven gallinas
Con mi rima, cuando impongo disciplina, como en China
Mi retina solo ve cabeza' rodando por la colina
La revolución francesa con la guillotina
Quemando vitrina', voy a toa', voy pa' encima
Con una botella, una toalla y gasolina, como en Palestina
Lo hago fácil, como pelar cáscara' de mandarina
Cómodo, como un asiento cuando se reclina
Soy Correa, Báez y Lindor, doble play de rutina
Esto no es por Instagram, esto se resuelve en la cabina

Los mato amarrándome la derecha y la izquierda
Cantando canciones infantile', saltando la cuerda
No hay break de que pierda
Si los meto a to's en una licuadora, sale una batida de mierda

Pa' dos minuto' de canción, tienen veinte escritore'
Hasta los manejadore' son compositore'
Quiniento' dólare' por un boleto, señore'
Por brincar como un pendejo vestido de colore'

El Auto-Tune y el playback activa'o
Estos bobos cantan hasta con el micrófono apaga'o
No se puede ser el líder, campeón de campeone'
Si te escribieron toda' tus fuckin' cancione'

Un hot dog bien hecho es delicioso
El problema es que no lo cocinaron estos mentiroso'
Estos vago' son goloso'
No te llevan ni el plato a la mesa y se llevan la propina del mozo

Y no les da vergüenza, eso es lo vergonzoso
Las abeja' hacen miel, pero se las come el oso
No se compra el respeto por ser talentoso
Una cosa es ser artista, otra cosa es ser famoso

Ah, hay que hacer una limpieza
Mucho delirio de grandeza, poca destreza
Esto solo empieza
Y yo todavía voy por mi primera cerveza

Esto lo hago pa' divertirme
Pa' divertirme, pa' divertirme
Esto lo hago pa' divertirme
Pa' divertirme, pa' divertirme

Como ya mismo me voy
Me voy a llevar un par ante' de irme

[Interludio - Residente y Gabriel Cabra]

Gabriel, ¿está bien así?
Mmm, en verda' está bien mierda, cabrón
Pero si le tira' a Balvin puede ser que me guste
No, a Balvin no, cabrón
Es un bobolón ese cabrón
Bueno, dale

[Capítulo 3]

Voy a rebajarme con un bobolón
Que le canta a SpongeBob y a Pokémon
La copia de un clon, el Logan Paul del reggaetón
Esto es más bajo que eyacular sin erección

Como le dicen por ahí
Josecito, no tienes calle, por eso tiene' los nudillo' blandito'
Con solo un video entierro a este becerro
Y lo pongo a subir fotos con su perro

Este cobarde, corderito mancebo
Es como un desayuno vegano, sin huevo
El pueblo luchando, los están matando
Y el tipo sube foto' de Ghandi rezando

Pendejo mentiroso, se hace el espiritual
Usando la salud mental pa' vender un documental
Tú eres má' falso que un hot dog sin ketchup ni pan
Más falso que los abdominale' de Luian

Es tan inseguro el pana
Que tiene que estar anunciando por Instagram cuánta lana gana
No entiende los valore' de la vida
Se tiene que tatuar la palabra lealtad porque se le olvida

Es un imbécil con tinte de cabello
Que puso a mujere' negra' con cadena' de perro en el cuello
Un blanquito que perdió el camino
Todo un divino aceptando su premio de afrolatino

Un día dijo que quiso hacer reggaetón, siendo franco
Al descubrir que Daddy Yankee era blanco
Mi llave, lo peor de todo y lo más grave
Es que este pendejo es racista y no lo sabe

La historia te va a dar un bofetón en nombre de to' los que, bajo abuso, recogieron algodón
Y otro bofetón en nombre de to' los que han tenido que batallar doble dentro del reggaetón

Myke Towers, Sech, ChocQuibTown, Rafa Pabön
Don Omar, Ozuna, Arcángel, Tego Calderón
Son un montón que, sin pensar, metes debajo del cajón
En tu arcoíri' de colore' no existe el color marrón

Un sacrilegio, este blanquito de colegio
Todavía no entiende el fuckin' privilegio
¿Pero qué esperan de este fracasado?
Cria'o por su papá, un influencer frustrado

En Puerto Rico pa' que se la dieran en el reggaetón
Tragó más leche que un condón
Por cada mamada, subía un escalón
Cada día disfraza'o de un color distinto como un camaleón

Lo que dijo Rubén, el Residente lo sostiene
Aunque cambie de color, yo siempre sé por dónde viene
Los camaleone' velan por su propio ombligo
Se hacen pana' hasta de sus enemigo'
Nada más con el testigo

Los negocio' son negocios, socio
En lo' negocio' no hay amigo'
Lo mío no es negocio, somo' diferente'
Por la música, yo pongo el corazón al frente
Mis Billboard los sostiene la gente
Junto a mis letra' en cada pancarta pa' bajar a un presidente

No soy el más famoso de todo el circuito
Pero parto en veinte a tu rapero favorito
Lo que dije en Calma Pueblo, lo repito
Conmigo comen aunque no tengan apetito

Esto no lo hago pa' darte consejo
Ni pa' abusar de ti aunque sea disparejo
Hoy te despellejo
Pa' que los que se compren la camisa del hot dog, se sientan bien pendejo'

Esto es por los pibe'
Por el respeto que merece todo aquel que escribe
Los Fórmula 1 están de turista, ya no corren
Porque acabo de romper la pista
¡Ah!

Esto lo hago pa' divertirme
Pa' divertirme, pa' divertirme
Esto lo hago pa' divertirme

Pa' divertirme, pa' divertirme
Esto lo hago pa' divertirme
Pa' divertirme, pa' divertirme

Como ya mismo me voy
Me voy a llevar un par ante' de irme

Bueno, ya me los llevé

RESIDENTE (BZRP Music Sessions #49)

[Capítulo 1]

Tô um pouco inquieto observando o gênero hip-hop
Só com os olhos pra fora, tipo um crocodilo no rio Nilo
Acertando umas contas pendentes antes do Milo chegar

Sentando numa cadeira debaixo da sombra, de camiseta
Com o cachorro mordendo meus sapatos
Arrotando tortilhas e tostadas com manteiga
Apontando pro horizonte com um rifle sem mira

Enquanto falo sozinho tipo o Don Quixote
Com espuma de cerveja no bigode
Esperando que esses cachorro-quentes saiam do camarote
Tipo um caroço, antes que o bote deles afunde

Mas como sempre, a merda sai pra todo lado
Estou pronto pra ir com tudo pra cima desses politiqueiros até o cartucho acabar
Hoje eu detono com esse marketing rídiculo deles
Igual quando derrubamos as estátuas do Cristóvão Colombo

Eu quebro esses ferros velhos
Tipo roqueiro nos anos 80 quebrando sua guitarra
Com o Resi, você se suja
Até meus versos ficaram alcoólicos
Porque estão cheios de teor

Eu venho do calor
Lá de Trujillo, se rufam os tambores nas ruas, ro-po-pom-pom
Não tem discussão, até meu mano Don
Sabe que no rap tem só um King Kong

Mandando brasa, isso aqui é White Lion, sem brincadeira
Tipo nos tempos do Voltio com o Tego
Você e eu não somos iguais
Não acredito nas estrelas das plataformas digitais
Nem nos seus anúncios de glacê
Nem nos seus stories do Instagram
Dolce & Gabbana e Cartier
Só acredito no meu nível
E no grafite do meu lápis deslizando em cima do papel

Faço isso pra me divertir
Pra me divertir, pra me divertir
Faço isso pra me divertir
Pra me divertir, pra me divertir

Como já estou de saída
Vou levar uns comigo antes de ir

[Capítulo 2]

Hoje vou foder a indústria da fama
Até quebrar as molas da cama
Enquanto minha rima se derrama, eu os fodo sem pijama
Vertical e horizontal, tipo palavra-cruzada

Nas batalha de rap, sou o terror dos terrores desta era
Pra esses perdedores, as primaveras não são mais coloridas
Porque onde mando uma rima inteligente, não cresce mais flores

São artistas de quinta
Que escrevem menos que uma caneta sem tinta
Quando me veem, entram em decomposição
Ficam pálidos tipo os dentes das mentiras que eles usam

Quando avistam o boné com a letra R
O palco todo começa a cheirar a granja de roça
Porque esses rappers, de tantas mentiras, viram frangos
Diante da minha rima, quando coloco disciplina, tipo na China
Minha retina só vê cabeças rolando pela colina
Estilo revolução francesa com a guilhotina
Queimando vitrines, vou com tudo, vou pra cima
Com uma garrafa, um pano e gasolina, tipo na Palestina
Faço isso fácil, tipo descascar tangerina
Confortável, tipo um assento reclinável
Sou Correa, Báez e Lindor, dose dupla como rotina
Isso aqui não é por Instagram, isso se resolve no estúdio

Eu detono eles mesmo amarrado dos pés a cabeça
Cantando música infantil, pulando corda
Não tem descanso pra perdedor
Se eu jogar eles tudo num liquidificador, vira uma batida de merda

Pra dois minutos de música, eles têm vinte autores
Até os motoristas são compositores
Quinhentos dólares num ingresso, meus senhores
Pra ficar pulando igual um moleque cheio de cores

O Auto-tune e o playback ligado
Esses otários cantam até com o microfone desligado
Você não pode ser a liderança, campeão dos campeões
Se escreveram pra você todas as porras das suas canções

Um cachorro-quente bem feito é gostoso
O problema é que quem cozinhou foi esses mentirosos
Esses trouxas são gulosos
Não trazem nem o prato até a mesa e ainda leva a gorjeta do garçom

E nem sentem vergonha, isso é vergonhoso
As abelhas fazem mel, mas estão comendo o osso
Não dá pra comprar respeito por ser talentoso
Uma coisa é ser artista, outra coisa é ser famoso

Ah, tá precisando fazer uma limpeza
Muito delírio de grandeza, pouca destreza
Isso só tá começando
E eu ainda tô só na minha primeira cerveja

Faço isso pra me divertir
Pra me divertir, pra me divertir
Faço isso pra me divertir
Pra me divertir, pra me divertir

Como já estou de saída
Vou levar uns comigo antes de ir

[Interlúdio - Residente e Gabriel Cabra]

Gabriel, tá bom assim?
Hmm, mano, tá uma merda, pra ser sincero
Mas se você mandar um papo pro J Balvin, talvez eu curta
Ah, não, o J Balvin não, mano
Esse cara é um lerdo
Mas beleza, bora

[Capítulo 3]

Vou me rebaixar com esse lerdo
Que canta Bob Esponja e Pokémon
A cópia de um clone, o Logan Paul do Reggaeton
Isso é mais podre que ejacular sem ereção

Como falam por aí
Josezinho, não vem da quebrada, por isso o flow dele é mais suave
Com um vídeo só eu enterro esse bezerro
E faço ele postar fotos do cachorro dele

Esse covarde, cordeirinho recém-nascido
É tipo um café da manhã vegano, não tem os ovos
O povo na luta, gente morrendo
E o cara postando foto do Ghandi rezando

Moleque mentiroso, finge ser religioso
Usando da saúde mental pra vender documentário
Você é mais falso que cachorro-quente sem ketchup e sem pão
Mais falso que o abdômen do Luian

O mano é tão inseguro
Que tem que ficar anunciando no Instagram quanta grana ganha
Não entende os valores da vida
Precisa tatoar a palavra lealdade porque esquece dela

É um imbecil de cabelo colorido
Que colocou mulheres negras com coleira de cachorro no pescoço
Um branquelo que perdeu o rumo
Ficando de boas recebendo seu prêmio de afro-latino

Um dia falou que queria fazer reggaeton, sendo sincero
Ao descobrir que o Daddy Yankee era branco
Parcero, o pior de tudo e o mais grave
É que esse moleque é racista e nem sabe

A história vai te dar um tapa na cara em nome de todos que, humilhados, colhiam algodão
E outro tapa em nome de todos os que tiveram que lutar o dobro dentro do reggaeton

Myke Towers, Sech, ChocQuibTown, Rafa Pabön
Don Omar, Ozuna, Arcángel, Tego Calderón
São vários que, sem pensar, te coloca num caixão
No seu arco-íris de cores não exite a cor marrom

Um sacrifício, esse branquelo mauricinho
Ainda não entendeu a porra do privilégio que tem
Mas o que esperar desse fracassado?
Criado pelo seu papai, um influenciador frustrado

Em Porto Rico, pra que sucedesse no reggeaton
Levou mais leitada que camisinha
Por cada mamada, subiu uma escada
Cada dia disfarçado de uma cor diferente, tipo camaleão

O que o Rubén falou, o Residente concorda
Mesmo que ele mude de cor, eu sempre sei de onde ele vem
Os camaleões olham pro seus próprios umbigos
São parceiros até de seus próprios inimigos
O que não falta é testemunha

Negócios são negócios, patrão
Nos negócios não existe amigos
Meu lance não é negócio, somos diferentes
Na música, eu coloco meu coração em primeiro lugar
Meus anúncios sustentam pessoas
Junto com minhas letras, nas faixas pra derrubar um presidente

Não sou o mais famoso do círculo
Mas parto em vinte o seu rapper favorito
O que eu falei em Calma Pueblo, vou repetir
Eles comem na minha mão, mesmo sem apetite

Não tô fazendo isso pra aconselhar
Nem pra te humilhar, mesmo que seja fácil
Hoje eu te esfolei
Pros que compraram a camisa do cachorro-quente, se sentirem uns moleques otários

Isso aqui é pra rapazeada
Pro respeito que quem compõe merece ter
Os Fórmula 1 só estão passeando, não correm
Porque acabei de dominar essa faixa
Ah!

Faço isso pra me divertir
Pra me divertir, pra me divertir
Faço isso pra me divertir

Pra me divertir, pra me divertir
Faço isso pra me divertir
Pra me divertir, pra me divertir

Como já estou de saída
Vou levar uns comigo antes de ir

Bem, meio que já acabei com eles

Composição: Residente
Enviada por Gustavo e traduzida por Gustavo.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Você não precisa da tradução para entender essa letra!

Participe do evento e aprenda inglês com música

Quero participar

Posts relacionados

Ver mais no Blog