Rap Bruto (part. Nach)

Residente

Original Tradução Original e tradução

Tradução automática via Google Translate

Rap Bruto (part. Nach)

 [Nach]
Mi escuela tiene alma y tablas
Va con sudaderas viejas, con las nikes sucias y la barba larga
No necesita efectos para adornar lo que habla
Rapea lo que vea, os tirotea en dos palabras
Yo empecé rapeando simple, con un sample y temple
El hobby de un adolescente dura para siempre
Un pro desde los 15, y no se rinde, endiente
Que pone en venta sus canciones pero no se vende
Crónico insolente que usa balas de saliba
Mi escuela nunca fue tendencia pero sigue viva
Tenemos iniciativa, perspectiva
Si algo no nos motiva
Subimos el dedo del medio arriba
Hablo de mi equipo, esos tipos que quitan el hipo
Mitos que lanzan cada escrito al infinito
Otros actuando crazy y yo cerrando el pico
Más cerca de Kase que de Jay-Z, no sé si me explico
Tengo a mi clan siguiendo un plan para ganarse el pan
Tengo a mis fans buscando paz, en mí la encontrarán
Tanto charlatán sin más afán que el famoseo
Trofeo al holgazán como un croissant cuando lo veo, es fácil
Su música infantil e inútil, la mía es táctil
No habrá bandera blanca en este mástil
Sé que el rapper de actitud nazi y hostil es frágil
Mezclo mi mente con TNT, y sale algo así tan ágil
Y como delfines sus fines no me definen
No tines si no lo vives, no opines, no subestimes este nombre
Nach rima sublime, es algo enorme, dime
A cuánto torpe fulminé junto a su melodine
Dejo que rimen, veo que se hinchan y se pinchan
Son muchas dianas para mi flecha
Piensan en su hucha y no en la lucha
Van sin antorcha, sin mecha
Les echan pronto, porque pronto se han pasa'o de fecha
Soy hombre de palabra, no me hables de números
Sus canciones secas, mis fraseos húmedos
Sinceros, sin peros, sin treguas
Sin pelos la lengua que os lame
Mi mierda es tan seria como un derrame
Ven que les electrocuto y disfruto
No hay sustituto si escupo
Ocho minutos de absoluto rap bruto
No me inmuto si no sueno en radios
Yo sueno en barrios
Mis hombres le echan huevos
Mis hembras le echan ovarios
Pero hay terminas que imitan
Me irrita, buscan visitas y guita
Gritan y grita, se excitan
Luego sin más se marchitan
Mi música es dinamita
Los decapita, les quita su ego
Luego es normal que dimitan
Llego, les hiero, soy puro veneno
Cuando me acelero me cuelo en su juego, los hundo
Soy como el hielo, congelo sus celos
Sufren el dinero, los tumbo
Los encadeno, les lanzo mi trueno
Sin freno, sueno y retumbo, así de rotundo
Quiero solo verdaderos guerreros salvando a mi mundo

[Nach y Residente]
Mucha selva, poco tigre
Mucha pólvora, poco calibre
Hijo de puta, tírame a mí
No puedes con Nach y Residente

Mucha selva, poco tigre
Mucha pólvora, poco calibre
Hijo de puta, tírame a mí
No puedes con Nach y Residente

[Residente]
Yo, yo, yo no tengo escuela
Sin que soplara el viento aprendí a navegar barcos de vela
Mi rima encima de una cumbia como quiera impacta
No sigo ningún escuela porque soy autodidacta
Nunca seguí las reglas con pistas de rap genéricas
Con un cajón peruano escribí Latinoamérica
Mi rap no sigue órdenes de ningún sargento
Hijo de puta, yo cree mi propio movimiento
Que narra y sin garras te desgarra
No crecí escuchando a 2pac, crecí con Violeta Parra
Y cuando deletreo los educo sin pizarra
Con solo dos barras las rockeo sin guitarra
No creo en dioses del rap, mucho menos en reyes
Yo soy la fucking gravedad desafiando las leyes
Yo soy el orden pero cuando se desarregla
Todas mis líneas son curvas, siempre rompo las reglas
Acostado bajo la sombra de una palma, relajado
Compitiendo contra mí mismo porque no tengo a nadie al lado
Me gusta abusar de los raperos fresa
Les dejo la R en las nalgas impresa
Antes de bajarme esa cerveza
Fácilmente los torturo solo
Les quito el Instagram y vuelven a ser inseguros
Tu moda no creo que dure
Las quinceañeras que te siguen hoy
Ya no te seguirán cuando maduren
Mucha selfie y poco contenido
Se tardan más en el vestuario que haciendo pruebas de sonido
Sus conciertos son todos iguales
Pocas rimas, poca banda, muchos fuegos artificiales
No se me escapan cuando escribo
Son fáciles de identificar porque se visten con colores llamativos
A estos raperitos nunca les he visto la cara
Siempre les veo de espalda
Cuando los pongo en 4 y les subo la falda
Y me los follo por los dos hoyos
Sin apoyo los arroyo, al estilo criollo
Los convierto en caldo de pollo
La policía me busca por acoso sexual
Y por perverso porque como Kase O: Soy un violador del verso
Y hago leo, porque con las dos piernas pateo
En el freestyleo desde el tiro libre la dunkeo
Y sin rodeo, cuando me cabreo, con mi palabreo
Pongo a hablar en árabe hasta los hebreos
A veces le meto tan rápido que el alfabeto no lo veo
A los del maleanteo los abofeteo
Como novela de abuela sin empleo
Mi lengua se tira acrobacias nunca antes vistas
Es malabarista, todo un artista
Y como Michael Jackson hace el Moonwalking por la pista
No hay quién resista al residente
Cuando los baja caliente, los pongo de rodillas literalmente
Como a los creyentes en el medio oriente
Arrodíllate y reza, soy un talibán, rimando corto cabeza
Con mi destreza les quito el corazón con la boca y lo pongo en la mesa
Encima de pan y hamburguesa
Con mayonesa y salsa japonesa
Y un poco de jugo de fresa
Me los desayuno, mi lengua nunca se tropieza
Cuando se apresa, los atraviesa con naturaleza
Mi sopa de letras empieza, abran la represa que llegó la pieza
Que falta en el rompecabezas

[Nach y Residente]
Mucha selva, poco tigre
Mucha pólvora, poco calibre
Hijo de puta, tírame a mí
No puedes con Nach y Residente

Mucha selva, poco tigre
Mucha pólvora, poco calibre
Hijo de puta, tírame a mí
No puedes con Nach y Residente

Rap Bruto (part. Nach) (Tradução)

[Nach]
Minha escola tem alma e mesas
Ele vai com moletons velhos, com os nikes sujos e a barba comprida
Você não precisa de efeitos para enfeitar o que você fala
Estupra o que ele vê, ele atira em você em duas palavras
Comecei a fazer rap simples, com amostra e templo
O hobby de um adolescente dura para sempre
Profissional desde os 15 anos e não desiste
Isso coloca suas músicas à venda, mas não é vendida
Insolente crônico que usa balas de saliba
Minha escola nunca foi uma tendência, mas ainda está viva
Temos iniciativa, perspectiva
Se algo não nos motiva
Nós colocamos o dedo médio para cima
Eu falo da minha equipe, daqueles caras que tomam soluços
Mitos que lançam cada escrita ao infinito
Outros agindo como loucos e eu calando a boca
Mais perto de Kase do que de Jay-Z, não sei se posso explicar
Meu clã segue um plano para ganhar o pão
Tenho meus fãs em busca de paz, em mim eles vão encontrar
Tanto charlatão sem mais ânsia que o famoso
Troféu de mocassim como um croissant quando eu vejo, é fácil
Sua música infantil e inútil, a minha é tátil
Não haverá bandeira branca neste mastro
Eu sei que a atitude hostil do rapper nazista é frágil
Eu misturo minha mente com TNT, e algo assim sai tão ágil
E como os golfinhos, seus propósitos não me definem
Não pinte se você não vive isso, não pense, não subestime esse nome
Nach rima sublime, é algo enorme, me diga
Que desajeitada eu olhei com seu melodo
Eu deixo rimar, eu vejo inchar e picar
Existem muitos alvos para minha flecha
Eles pensam no seu cofrinho e não na luta
Eles vão sem tocha, sem pavio
Eles os expulsam logo, porque logo passam a data
Sou um homem de palavra, não me fale de números
Suas canções secas, minhas frases molhadas
Sincero, sem mas, sem tréguas
Sem pêlo a língua que te lambe
Minha merda é tão séria quanto um derramamento
Eles veem que eu os eletrocuto e eu gosto
Não há substituto se eu cuspir
Oito minutos de rap cru absoluto
Eu não vacilo se eu não soar nas rádios
Eu sonho em bairros
Meus homens botam ovos
Minhas fêmeas dão-lhe ovários
Mas existem fins que imitam
Isso me irrita, eles procuram visitas e barbante
Eles gritam e berram, ficam animados
Então, sem mais delongas, eles murcham
Minha musica é dinamite
Ele os decapita, tira seu ego
Então é normal que eles renunciem
Eu chego, eu os machuco, sou puro veneno
Quando eu acelero eu entro no jogo deles, eu os afundo
Eu sou como gelo, eu congelo seu ciúme
Eles sofrem dinheiro, eu os derrubo
Eu os acorrento, eu lanço meu trovão neles
Sem freio, toco e bato, tão retumbante
Eu quero apenas verdadeiros guerreiros salvando meu mundo

[Nach e residente]
Muita selva pequeno tigre
Muita pólvora, pequeno calibre
Filho da puta, me jogue fora
Você não pode com Nach e Resident

Muita selva pequeno tigre
Muita pólvora, pequeno calibre
Filho da puta, me jogue fora
Você não pode com Nach e Resident

[Residente]
Eu eu não tenho escola
Sem o vento soprando aprendi a velejar
Minha rima em cima de uma cumbia como voce quer impactar
Eu não sigo nenhuma escola porque sou autodidata
Nunca segui as regras com faixas de rap genéricas
Com uma gaveta peruana escrevi América Latina
Meu rap não segue ordens de nenhum sargento
Filho da puta, eu crio meu próprio movimento
Que narra e sem garras rasga você
Não cresci ouvindo 2pac, cresci com Violeta Parra
E quando eu soletro eu os educo sem um quadro-negro
Com apenas dois compassos eu balanço sem violão
Eu não acredito em deuses do rap, muito menos em reis
Eu estou desafiando as leis da porra da gravidade
Eu sou a ordem, mas quando fica desordenada
Todas as minhas linhas são curvas, sempre quebro as regras
Deitado sob a sombra de uma palmeira, relaxado
Competindo comigo mesmo porque não tenho ninguém ao meu lado
Eu gosto de abusar de rappers de morango
Deixo o R nas nádegas impresso
Antes de eu deixar cair aquela cerveja
Eu facilmente os torturo sozinho
Eu tiro o Instagram deles e eles estão inseguros de novo
Sua moda eu não acho que vai durar
As quinceañeras que te seguem hoje
Eles não irão mais segui-lo quando amadurecerem
Muita selfie e pouco conteúdo
Eles demoram mais no vestiário do que na passagem de som
Seus shows são todos iguais
Poucas rimas, bandinha, muitos fogos de artifício
Eles não escapam de mim quando eu escrevo
Eles são fáceis de identificar porque estão vestidos com cores brilhantes
Eu nunca vi a cara desses rappers
Eu sempre os vejo por trás
Quando eu coloco em 4 e levanto a saia
E eu os fodo através de ambos os orifícios
Sem suporte a riachos, estilo crioulo
Eu os transformo em caldo de galinha
A polícia está me procurando por assédio sexual
E para perverso porque como Kase O: Eu sou um estuprador do verso
E eu leio, porque com ambas as pernas eu chuto
No freestyleo do free kick o dunkeo
E francamente, quando fico bravo, com a minha conversa
Eu coloquei até os hebreus para falar em árabe
Às vezes coloco tão rápido que o alfabeto não vejo
Eu dou um tapa nos bandidos
Como um romance da avó desempregada
Minha língua faz acrobacias nunca vistas antes
Ele é um malabarista, um artista
E como Michael Jackson faz o Moonwalking na pista
Não há ninguém que resista ao residente
Quando eu desço eles quentes eu literalmente os coloco de joelhos
Como os crentes do Oriente Médio
Ajoelhe-se e reze, sou um talibã, que rima com a cabeça baixa
Com minha destreza eu tiro seus corações com minha boca e coloco sobre a mesa
Em cima de pão e hambúrguer
Com maionese e molho japonês
E um pouco de suco de morango
Eu os como, minha língua nunca tropeça
Quando é capturado, passa por eles com a natureza
Minha sopa de letrinhas começa, abra a barragem que a peça chegou
O que está faltando no quebra-cabeça

[Nach e residente]
Muita selva pequeno tigre
Muita pólvora, pequeno calibre
Filho da puta, me jogue fora
Você não pode com Nach e Resident

Muita selva pequeno tigre
Muita pólvora, pequeno calibre
Filho da puta, me jogue fora
Você não pode com Nach e Resident

Composição: Nach-Residente
Enviada por xavier. Revisões por 3 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog