La Fuerza De La Vida

Paolo Vallesi

Original Tradução Original e tradução
La Fuerza De La Vida

Hasta cuando nos marchamos lejos
por cobardía o por despecho,
por un amor inconsolable,
cuando en casa el tiempo pasa sin vivirle
y lloras porque no sabes por qué
una fuerza enorme esta en nosotros mismos,
la sencillez de lo sencillo,
donde las luchas son inútiles,
es más fuerte que una muerte incomprensible,
es vencer esa nostalgia que nos se va de tí.

Tienes que poner los dedos en tu herida
y entonces sentirás la fuerza de la vida,
que te conducirá, lo sé,
amor, ya lo verás,
a la salida que hoy no ves.

Cuando te recomen los silencios
y el corazón les pone precio
con un rumor insoportable
cuando te hundes y no puedes levantarte,
y hasta cuando la esperanza
piensas que se perderá.

Es la voluntad que a todo desafia,
es nuestra dignidad, la fuerza de la vida,
que no preguntará que es la eternidad,
aunque sepa que la ofenden,
o que la venden sin piedad.

Tienes que tocar el fondo de tu herida
y reconocerás la fuerza de la vida,
que te conducirá, lo sé,
no te dejará marchar,
no te dejará, ten fe.

Hasta dentro de la carcel
de esta enorme hipocresía,
y en los fríos hospitales
de ese mal de nuestros días,
una fuerza te vigila,
tu la reconocerás,
es la fuerza testaruda que hay en tí,
que sueña y no se va de tí.

Coro: Es la voluntad
más fragil e infinita,
es nuestra dignidad,
la fuerza de la vida.

Es nuestro amor, la fuerza de la vida,
que no preguntará
que es la eternidad,
porque siempre por nosotros luchará,
y no nos dejará.

Coro: Tienes que tocar
la llaga de tu herida,
y reconocerás
la fuerza de la vida.

La fuerza dentro de tí,
la tienes que presentir
y allí estará,
la fuerza de la vida,
que te conducirá, lo sé,
que susurra convencida
lo importante que la vida es.

A Força da Vida

Até quando nos afastamos
Por covardia ou por apesar,
por um amor inconsolável,
Quando passa o tempo em casa sem vive-lo
E choras porque não sabes por quê.
Uma força enorme está em nós.
A simplicidade do simples,
Onde as lutas são inúteis
E mais forte que uma morte incompreensível
É vencer essa nostalgia que me separa de ti.

Tens que pôr o dedo em tuas feridas
E então, sentirás, a força da vida
Que te conduzirá, eu sei,
Amor, você verá,
A saída que hoje não vês.

Quando te recomendem o silêncio
E o coração põe preço
Com um rumor insuportável.
Quando te afundar e não puderes levantar-te
E até quando a esperança
Pensas que se perderá.

É a vontade que a todos desafia,
É a nossa dignidade, a força da vida.
Que não perguntará, o que é a eternidade.
Ainda que saiba, que a ofendem
E que a vendem sem piedade.

Tens que tocar o fundo da tua ferida
E reconhecerás a força da vida,
que te conduzirás, eu sei,
Não te deixará partir,
Não te deixará, tenha fé.

Até dentro da prisão
Desta enorme hipocrisia.
E nos frios hospitalares,
Desse mal de nossos dias,
Uma força de vigia,
Tú a reconhecerás,
É a força obstinada que há em você
que sonha e não se vai de você

É a vontade
Mais frágil e infinita,
É a nossa dignidade
A força da vida.

É nosso amor, a força da vida,
que não perguntará,
o que é a eternidade,
por que sempre, lutará por nós.
E não nos deixará.

Tens que tocar,
a chaga de tua ferida.
E reconhecerás
A força da vida

A força dentro de ti,
Tens que presenti-la
E ali estará,
A força da vida,
Que te conduzirá, eu sei,
Que sussurra convencida,
A importância da vida.

Composição: Paolo Vallesi
Enviada por Fernanda e traduzida por Alex.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Paolo Vallesi

Ver todas as músicas de Paolo Vallesi