Ojalá Pase (part. Beatriz Luengo)

Orishas

Original Tradução Original e tradução

Tradução automática via Google Translate

Ojalá Pase (part. Beatriz Luengo)

Eres tú mi canto de sirena
Porque con tu voz se van mis penas
Este sentimiento ya está añejo
Tú me dueles tanto aunque estés lejos

Hoy yo te invito a caminar por mis solares
Pa’ demostrarte de que sirven tus ideales
Somos humanos aunque no pensemos iguales
No nos tratemos ni dañemos como animales
Esta es mi forma de decírtelo
Llora mi pueblo y siento yo su voz
Tu 59 yo doble 2 (2020)
60 años trancado el dominó
Bombo y platillo a los 500 de la Habana
Mientras en casa en las cazuelas ya no tienen jama
Que celebramos si la gente anda deprisa
Cambiando al Che Guevara y a Martí por la divisa
Todo ha cambiado ya no es lo mismo
Entre tú y yo hay un abismo
Publicidad de un paraíso en Varadero
Mientras las madres lloran por sus hijos que se fueron

Ojalá que se acabe la mirada constante
La palabra precisa, la sonrisa perfecta
Ojalá pase algo que te borre de pronto
Una luz cegadora, un disparo de nieve
Ojalá por lo menos que me lleve la muerte
Para no verte tanto, para no verte siempre
En todos los segundos, en todas las visiones

Hoy yo te invito a que camines por mi campo
Sin luz, agua potable y en carretera de fango
Donde los niños sueñan con un Superman que vuela
Y que le ahorre las 6 horas de botella hasta la escuela
Esta es mi forma de decírtelo
Una vez más en forma de canción
Por un mañana tal vez mejor
Vuelva mi isla bella la de tabaco y ron
Flores y ofrendas a médicos en hospitales
Para que te libren y te curen de todos los males
Publicidad de sanidad gratuita
Si no le llevas algo el dolor no se te quita
Prendo una vela pa’ todos mis santos
Pa’ que nos ayuden a levantarnos
Por qué no somos justos y no nos engañamos
Los santos no resuelven el deber de los humanos

Ojalá se te acabe la mirada constante
La palabra precisa, la sonrisa perfecta
Ojalá pase algo que te borre de pronto
Una luz cegadora, un disparo de nieve
Ojalá por lo menos que me lleve la muerte
Para no verte tanto, para no verte siempre
En todos los segundos, en todas las visiones

Espero que passe (parte. Beatriz Luengo)

Você é minha música de sirene
Porque com sua voz minhas tristezas se foram
Esse sentimento já é antigo
Você me machucou muito, mesmo que você esteja longe

Hoje eu convido você a percorrer meus lotes
Para mostrar a você quais são seus ideais
Somos humanos, mesmo que não pensemos da mesma forma
Não vamos nos tratar ou nos machucar como animais
Esta é a minha maneira de lhe dizer
Meu povo chora e eu sinto a voz deles
Você 59 eu dobro 2 (2020)
60 anos trancou os dominós
Bombo e pires em 500 em Havana
Enquanto em casa, nas caçarolas, eles não têm mais jama
O que celebramos se as pessoas andam rapidamente
Alterar Che Guevara e Martí pela moeda
Tudo mudou não é mais o mesmo
Entre você e eu há um abismo
Anunciando um paraíso em Varadero
Enquanto as mães choram por seus filhos que deixaram

Espero que o olhar constante termine
A palavra precisa, o sorriso perfeito
Espero que algo aconteça para apagar você de repente
Uma luz ofuscante, um tiro de neve
Espero que pelo menos me leve à morte
Não te ver tanto, nem sempre te ver
Em todos os segundos, em todas as visões

Hoje eu convido você a percorrer meu campo
Sem luz, água potável e estrada de lama
Onde as crianças sonham com um super-homem voador
E economize 6 horas de mamadeira na escola
Esta é a minha maneira de lhe dizer
Mais uma vez na forma de uma música
Para um amanhã talvez melhor
Devolva minha linda ilha ao tabaco e ao rum
Flores e ofertas para médicos em hospitais
Para que eles possam libertá-lo e curá-lo de todos os males
Publicidade gratuita de saúde
Se você não toma algo, a dor não tira
Acendo uma vela por todos os meus santos
Para nos ajudar a levantar
Por que não somos justos e não somos enganados
Os santos não resolvem o dever dos humanos

Espero que você fique sem olhar constante
A palavra precisa, o sorriso perfeito
Espero que algo aconteça para apagar você de repente
Uma luz ofuscante, um tiro de neve
Espero que pelo menos me leve à morte
Não te ver tanto, nem sempre te ver
Em todos os segundos, em todas as visões


Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Orishas

Ver todas as músicas de Orishas