Amanhã Acorda Cedo

Móveis Coloniais de Acaju

O vento no meu rosto
Não me diz de onde vem
A pele sente o sopro
Mas o corpo se mantém

Eu sei que houve um tempo
Onde o horizonte era mar
Perfeito e sem vento
Tão distante de alcançar
E se é preciso navegar

Ah, eu quero a leveza do ar
Tento não ter mais o peso no olhar

Leve embora o que não é pra ser
Seja atento, porque quero andar
Ando certo de onde devo estar
E não é aqui

Quero amar como se fosse o fim
Finalmente ter pra onde ir
Corto a voz de ontem
Quero ouvir o amanhã que o vento traz
Me enche de paz

O dia acorda cedo
Não me diz pra onde vai
Estrada, terra quente
Segue o sol e nada mais

Meu mundo em movimento
Paro e sinto o chão caminhar
Pareço estar perdido
Diz pra mim quem não está
Diz pra mim onde chegar

Ah, eu quero a leveza do ar
Tento não ter mais o peso no olhar

Leve embora o que não é pra ser
Seja atento porque quero andar
Ando certo de onde devo estar
E não é aqui

Quero amar como se fosse o fim
Finalmente ter pra onde ir
Corto a voz de ontem, quero ouvir
O amanhã que o vento traz
Me enche de paz

Ah, eu quero a leveza do ar
Tento não ter mais o peso no olhar

Leve embora o que não é pra ser
Seja atento porque quero andar
Ando certo de onde devo estar
E não é aqui

Quero amar como se fosse o fim
Finalmente ter pra onde ir
Corto a voz de ontem, quero ouvir
O amanhã que o vento traz

Composição: Móveis Coloniais De Acaju
Enviada por Douglas. Legendado por Douglas. Revisão por Marcelly.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Móveis Coloniais de Acaju

Ver todas as músicas de Móveis Coloniais de Acaju