Por Que Cê Tá? (part. Rashid)

Menestrel

[Menestrel]
Onde minha mente mora tá a confusão
Duas ruas pra cima da ilusão
Preciso de umas férias dessa pressão
Só olhar pro lado em vão
Ver meu pai alegre junto com os meus irmão
Nego, eu tô prontão
Com sangue nos olhos, demorou a trocação
Hoje é um dos dias que se eu fosse assaltado
Acho que eu teria pena somente do ladrão
Faz logo uma oração
Yan, seu peito é forte, suporta a perfuração
Saudade é um termo que inventaram
Pra resumir a nostalgia de não ser mais mesmo na situação-ão

Um trago pra cada dia aqui
Queremos voltar no tempo
Mãe, virei um quadro
Cássia, se tiver me ouvindo aí
Por você também que eu ressignifiquei o relicário

Um trago pra cada dia aqui
Queremos voltar no tempo
Mãe, virei um quadro
Cássia, se tiver me ouvindo aí
Por você também que eu ressignifiquei o relicário

Ando pelas da sul
Quero encontrar você
Não sabem porque falam porquês
Mas querem as respostas das ruas
Tipo um ponteiro do relógio cego e, sério
É tudo uma falta de elo
O conjunto não conversa com o solo
Todos achando que tão certos
No peito bate um coração vadio, parça
Passa em cima dessa linha que eles mandam
Ê ah, compre o remédio pra doença que te deram
Desamassa seu carro que eles tão amassando
Às vezes esqueço que nós tamo no Brasil
Que aqui a gente joga contra tudo e contra todos
Contra o Estado e a Civil
Que o Sol brilha com tanta força que seca nosso cantil

O quê? Por quê? E pra quem?
Me deixa que eu tô bem, tô zen e no sense
De toda negativa vivo além
Me beija sem dizer nenhum porém

O quê? Por quê? E pra quem?
Me deixa que eu tô bem, tô zen e no sense
De toda negativa vivo além
Me beija sem dizer nenhum porém
Por que 'cê tá?

De cara com a vida que eu vivo
Acho que até o presidente ficaria em choque
Mesmo eu torcendo pra que ele tome um choque
Não deseja isso, Yan, mesmo que mereça, não prove
Não, não pode, não, a lei do karma é severa e fogo
E só quem provou daquele gosto não cai nessa poça de novo e tá bem de boa
Bem pouco, e de porre
Isso aqui tá uma zona e antes que eu prove
Que tá faltando verdade em vários corre
Vou tampar minha boca, que é mais nobre
Rodeado de X9 a parede é
Quem tá olhando seu bote, eu tô na fé (e aí, Menestrel?)
Abençoado na pista e tua mandinga não me explode (salve!)
A vitória só vem pra quem espera de pé

[Rashid]
À la Menestrel de Shakespeare
Compor é despir minha alma enquanto me ponho a cuspir
Verso em cima de verso nesse deserto no qual professo
Terreno do amanhã é incerto
E as porta não abre
Em uma vida vinagre, só zinabre
Plantei lágrima pra colher milagre
Mentalidade Ragnar, rapina, rápida
Esse flow é Pac na máquina, ácido de verdade
Não é por fama, quando eu cheguei essa porra nem era uma possibilidade
20/20 num iate em Miami
Que se dane, eu quero mais, tiozão, aqui é Lauzane
E quantos de vocês representa a quebrada?
Nessa Lua, quantos deixaram a bandeira fincada?
Pelas rua, eu sou real ao pé da letra
Que nem o Apocalipse, minhas 16 é muita treta
(Se não entendeu, vai pesquisar)

[Menestrel]
O quê? Por quê? E pra quem?
Me deixa que eu tô bem, tô zen e no sense
De toda negativa vivo além (é isso que eu quero saber)
Me beija sem dizer nenhum porém (por que 'cê tá, hein? Por que 'cê tá?)
Por que 'cê tá?

O quê? Por quê? E pra quem?
Me deixa que eu tô bem, tô zen e no sense
De toda negativa vivo além
Me beija sem dizer nenhum porém (foco na missão)
Por que 'cê tá?

Composição: Menestrel / Rashid
Enviada por Madelene.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog