The Wrote and the Writ

Johnny Flynn

Original Tradução Original e tradução
The Wrote and the Writ

They're taking pictures of the man from God
I hope his cassock's clean
The burden of being our holy fellas
Your halo'd better gleam, better gleam

What of all those wayward priests?
The ones who like to drink
Do you suppose they'd swap their blood for wine
Like you swapped yours for ink, for ink

You wrote me oh so many letters
And all of them seemed true
Promises look good on paper
Especially from you, from you

The weight of all those willing words
I carried all alone
You wouldn't put your pen to bed
When we hadn't found our own, our own

Your sentences rose high at night
And circled round my head
The circle's since been broken
Like the priest before me is breaking bread

I'm being asked to drink the blood of Christ
And soon I'll eat his flesh
I'm alone again before the altar
Shedding all my old regrets

The last of which I'll tell you now
As it flies down the sink
I never knew a part of you
You didn't set in ink, in ink

The letters that you left behind
No longer shall I read
Your blood's between the pages
And I can't stand to see you bleed

And I'll soon forget what was never there
Your words are ash and dust
All that's left is the song I've sung
The breath I've taken and the one I must

If you're born with a love for the wrote and the writ
People of letters your warning stands clear
Pay heed to your heart and not to your wit
Don't say in a letter what you can't in my ear

O Escrito e a Palavra

Eles estão tirando fotos do homem de Deus
Espero que sua batina esteja limpa
O fardo de serem nossos companheiros santos
É bom que sua auréola brilhe, brilhe

Qual é a de todos esses padres desobedientes?
Os que gostam de beber
Você supõe que eles trocariam seu sangue por o vinho
Como você trocou o seu por tinta, por tinta

Você me escreveu tantas cartas
E todos elas pareciam verdadeiras
Promessas parecem boas no papel
Especialmente de você, de você

O peso de todas essas palavras de boa vontade
Que eu carreguei sozinho
Você não colocava a caneta para dormir
Enquanto não tínhamos encontrado nós mesmos, nós mesmos.

Suas frases subiam ao alto à noite
E circulavam em volta da minha cabeça
O círculo já foi quebrado desde então
Como o padre diante de mim quebra o pão

Estão me pedindo para beber o sangue de Cristo
E logo vou comer a sua carne
Estou sozinho outra vez diante do altar
Derramando todos os meus arrependimentos antigos

O último dos quais vou lhe dizer agora
Enquanto ele se vai pelo ralo
Eu nunca conheci uma parte de você
Que você não colocou em tinta, em tinta

As cartas que você deixou para trás
Já não lerei mais
Seu sangue está entre as páginas
E eu não aguento ver você sangrar

Logo vou esquecer o que nunca esteve lá
Suas palavras são poeira e cinzas
Tudo o que resta é a canção que cantei
O fôlego que tomei e o que devo tomar

Se você nasce com um amor para a escrita e a palavra
Pessoas das cartas o aviso é claro
Preste atenção ao seu coração e não a sua razão
Não diga numa carta o que não puder dizer no meu ouvido

Composição: Johnny Flynn
Enviada por Tamires e traduzida por Beatriz. Legendado por Mateus e Letícia. Revisões por 3 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Dicionário de pronúncia

Ver mais palavras

Posts relacionados

Ver mais no Blog