Seaside Suicide

Isobel Anderson

Original Tradução Original e tradução
Seaside Suicide

Run away
And never look back
Take your pain
And leave it in the past
Re-connect
Only when there's nothing left
Now's your time to feel at your best
Now's your time to feel selfish

A home in stone
A memory across the waves
And piece by piece
The tide washes it away
Beneath the foam
There's a face staring back
Telling me there is no place like home
Because there never really was a home

I keep dragging myself back here
To the cove at Zenor
To the beach in Devon
Back to the amusement archades
On Brighton's grand parade
Till I've lost my way

And in the dark
There's a hand holding mine
Across my face
A kiss to say it's fine
I feel a tear
Rolling down my face
It must have touched the lips that once were there
And i look out and see nobody's there

Home is hidden in the sand dunes
It's hidden in the pebbles
That sing beneth the waves
The ripples sound like guitar strings
The foam like tiny voices
Begging me to stay

The sea, the sea it takes me
And drags me down in it's cold arms
I drown and it frees me
A sacrifice to your love

I never came back
No I never came back
No I never, I never, I never
I never came back

Oh, the sea, the sea it takes me
And drags me down in it's cold arms
I drown and it frees me
A sacrifice to your love

Suicídio da Beira Mar

Fuja
E nunca olhe para trás
Leve a sua dor
E deixe-a no passado
Reconecte-se
Somente quando não há mais nada
Agora é a sua vez de se sentir no seu melhor
Agora é a sua vez de se sentir egoísta

Uma casa em pedra
Uma memória através das ondas
E peça por peça
A maré as leva para longe
Por baixo da espuma
Há um rosto olhando de volta
Dizendo-me que não há lugar como o lar
Porque não há nunca houve realmente um lar

Eu continuo me arrastando de volta para cá
Para a enseada em Zenor
Para a praia em Devon
Voltar aos fliperamas divertidos
No grande desfile de Brighton
Até que eu perdi meu caminho

E no escuro
Há uma mão segurando a minha
No meu rosto
Um beijo para dizer que está tudo bem
Eu me sinto uma lágrima
Rolando pelo meu rosto
Ela deve ter tocado os lábios que uma vez estavam lá
E eu olho para fora e vejo que ninguém está lá

O lar está escondido nas dunas de areia
Ele está escondido nos seixos
Que cantam sob as ondas
As ondulações soam como cordas de guitarra
A espuma como pequenas vozes
Me implorando para ficar

O mar, o mar leva-me
E me arrasta para baixo nele é braços frios
Eu afogo e isso me liberta
Um sacrifício para o seu amor

Eu nunca mais voltou
Não, eu nunca mais voltou
Não, eu nunca, nunca, nunca
Eu nunca mais voltou

Oh, o mar, o mar leva-me
E me arrasta para baixo nele é braços frios
Eu afogo e isso me liberta
Um sacrifício para o seu amor

Enviada por Thiago e traduzida por Thiago.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Dicionário de pronúncia

Ver mais palavras

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Isobel Anderson

Ver todas as músicas de Isobel Anderson