Labirintos

Eduardo Gudin

Nossas mãos seriam
Mãos inúteis divididas
E por uma vida
Se uniriam nossas vidas
E por tudo que as palavras
Não disseram, nem dirão, jamais
Hoje tu não sorriras

Por teres dito o bem das minhas mãos
E abandonado e eu ter ido
Atrás das tuas e me condenado
Por ser tua vida a minha morte
E a morte ser vida no amor
Hoje morreras de dor

Pelo os meus esforços
Meus impulsos, meus azares
Pelos meus remorsos
Meus soluços, meus pesares
E por Deus, é tarde demais

Vêm ao braços meus
Não sei pra onde vais

Por meus olhos te acenderem
Caminhos distintos
Por teus olhos terem sido trevas
Labirintos
E por esta vida que do fundo
Do teu cerne, diz adeus
Eu responderei
Adeus

Composição: Eduardo Gudin / Paulo Cesar Pinheiros
Enviada por Helio.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Eduardo Gudin

Ver todas as músicas de Eduardo Gudin