Estrela Morta

Edgar

A cercelia na saca
(Je ne parle France)
Lostie dobungava
Quem besa lafa, tanca tonju
Gache com sno laspe aru, na gafu, sem cobi josu, alavu

Entre o pop e o esquecido
Onde a pulsação da estrela morta
Me alcança prazeres desconhecidos
A guia, as Três Marias
Será que as estrelas cadentes
Quando caem no mar viram estrelas marinhas?

Eu e minhas estranhas manias
Com olhos de mendigos em bonecos de neve
Celebre a mudança que não se ergue
Percebesse, repita o que não se consegue
A gente segue com ou sem álibi

Habilis
Fale-me o que lhe impede
A não determinar as suas prioridades?
Eu vivo na república das chuteiras
Eu não mastigo grama e nem moro em um estádio
E o futebol aqui distrai mais não melhora a situação, (não, não, não)
Barriga brasileira e africana é resistência igual a canela de skatista

E eu estou aqui, camuflado de estrela
E você não nota, mas estrela morta não pisca
Homens, homens, a noite as luzes brincam
De pega-pega e esconde-esconde
Vamos tirar fotos, digam X
O planeta está voltando
Inundando em danos, nadamos, nada damos

Captamos uma ideia, cada um transmite uma
Sou um cidadão do mundo
Mas na terra eu me sinto como um turista
Longe de casa, eu sei, eu não sou daqui
Sumérios e egípcios
Desafiando a gravidade igual as pedras
Equilibristas dos terrenos andinos

Entretanto interagindo com o xamanismo inca
E a fidelidade dos caninos
E o filtro de energia que nós chamamos de felinos
Não subestimo um inferno astral, os fios de aurora boreal
As engenharias siderais, crises existenciais, abduções
Anomalias elétricas, catástrofes naturais

Profecias maias ou astecas
Homo sapiens criando guelras
Quebrando vértebras, as tais mutações genéticas
Adaptações fora de série, dissipando-se em uma nova espécie
Não achará nada disso nos livros do seu ensino fundamental
Uma supernova, um buraco de minhoca
Com um pé-na-cova e outro na casca de banana

Tudo faz sentido
Os mornos, o caos, o abstrato, o folclore e o surreal
E o medo do desconhecido
O pai que teme a superação do próprio filho
O incentiva repetindo a frase
Que filhote de lagartixa, nunca virará crocodilo

E porque pensas que eles já partiram?
Então eles já vieram?
Talvez nem foram embora ainda!
Será que estamos protegidos?

E eu estou aqui, camuflado de estrela
E você não nota, mas estrela morta não pisca
Homens, homens, a noite as luzes brincam
De pega-pega e esconde-esconde
Vamos tirar fotos, digam X
O planeta está voltando
Inundando em danos, nadamos, nada damos

Os três reis magos nunca foram humanos
Essa Lua não é nossa, os donos estão voltando


Posts relacionados

Ver mais no Blog