Bagunça

Duarte

O chão do teu quarto, a roupa jogada, o teu travesseiro
O teto riscado, a cama quebrada, a cor do teu cheiro
Não tinha quem se atrevesse, eu fui o primeiro
A entrar no teu lar, na tua bagunça, no teu coração

Teu filtro dos sonhos, teu violão, um quadro escuro
Rede na parede, e os cacos de vidro em cima do muro
Eu me apaixonei por cada canto do teu mundo
E cá eu morei, meu riso plantei no teu quintal
Fiz meu todo o teu jeito

Todas as manhãs eu vou dançar no campo do teu beijo
E nos teus lençóis vou afogar todo o meu desejo
É que eu me encantei com esse teu jeito de se desarrumar
O teu caos é belo, eu sou sincero: Eu amo a tua bagunça

Teus discos de samba amontoados numa mesinha
Teu gato listrado, tapete rasgado no chão da cozinha
Não precisa esconder que eu não vou reparar
Eu mesmo sei bem o conforto que o caos pode proporcionar
Tenho um dentro do peito

Composição: Guilhermy Duarte
Enviada por Karoliny. Legendado por Nathalia.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog