De Sua Formosura

Chico Buarque

De sua formosura
deixai-me que diga:
é belo como o coqueiro
que vence a areia marinha.
Belo como a última onda
que o fim do mar sempre adia.
É tão belo como um sim
numa sala negativa.

De sua formosura
deixai-me que diga:
é tão belo como um sim
numa sala negativa.
Belo porque é uma porta
abrindo-se em mais saídas.
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia.*

De sua formosura
deixai-me que diga:
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia. *
Como qualquer coisa nova
inaugurando o seu dia.
Ou como o caderno novo
quando a gente o principia.

De sua formosura
deixai-me que diga:
é belo como o coqueiro
que vence a areia marinha.
Belo como a última onda
que o fim do mar sempre adia.
É tão belo como um sim
numa sala negativa.

Belo porque é uma porta
abrindo-se em mais saídas.
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia. *

De sua formosura
deixai-me que diga:
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia. *
Como qualquer coisa nova
inaugurando o seu dia.
Ou como o caderno novo
quando a gente o principia.

* No poema "Morte e vida severina" de João Cabral de Melo Neto consta "(...) Belo como coisa nova/ na prateleira até então vazia". Na música, Chico Buarque adapta o verso para "(...) Belo como coisa nova/ na prateleira vazia".

Composição: Joao Cabral de Melo Neto
Enviada por L. Revisão por L.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog


Mais músicas de Chico Buarque

Ver todas as músicas de Chico Buarque