Mucho Gusto

Canserbero

Original Tradução Original e tradução

Tradução automática via Google Translate

Mucho Gusto

Nací en mi patria Venezuela, sí, en el norte del sur
Al lado de Colombia, en medio del Atlántico azul
Donde los mediodías son de treinta y tres grados pa'rriba
Y las mujeres aquí 'tan más buenas que la comida

Donde un carro nuevo cuesta al menos el sueldo de diez años
Y una casa cuesta al menos el precio de cien carros
Soy de un país con miles de leyes sin aplicar
Con sesenta muertos semanal solo en la capital

Por ende, muy pocas cosas me sorprenden
Me han apunta'o en la cara pa' robarme un par de lentes
He visto policías matando gente inocente
Y he visto gente no inocente siendo presidente, ¿entiendes?

Me gusta el rap desde que tengo como once y no he podido parar desde entonces
He escrito un montón de canciones
He improvisado ebrio en callejones
Y he cantado serio ante varios cientos de seguidores

Yo he demostra'o hasta a los más conservadores
Que el rap puede ser oído por jóvenes y mayores
También que el rap no es solamen' violencia como creen
Y que a pesar que competimos buscamos un bien no un fin

Muchos me ven y creen que es cosa de muchachos
Que me drogo, que soy un bobo, que soy un borracho
Sin saber cuánto trabajo pa' pagar mi rancho
Y que me educo para ser un Don Quijote más que un Sancho

Parezco un loco respecto a la mayoría
Salgo poco, me gusta más la oscuridad que el día
Tengo mal carácter y un par de problemas psicológicos
No creo en la Biblia, sino en razonamientos lógicos

Vengo de un barrio donde a veces comía
La misma pasta todos los días, con agua a veces ni fría
Pero todavía hambre no he pasado, nada me lo han regalado
Por eso soy frío como un soldado

Actualmente hay gente que quiere firmarme
Hacer mi música bailable, tratarme como a muñeco inflable
Yo les respondo que prefiero comer un cable
Que no modificaré jamás lo que mi alma les hable

Así me tarde la mitad de mi vida y no la disfrute
Yo haré todo para que esta música consiga el respeto
Del planeta completo, porque ahora es tiempo
De implantar a punta de verso la real expresión del ghetto

Quiero hacer música, pero que no se baile
Sino que se sienta en el corazón y en el aire
Quiero morir en cada verso que escriba
Y que me devuelvan a la vida con rap y la mano arriba

No quiero dormir, no quiero ahorrar nunca mi fuerza
Ojalá se mueran todos los gobernantes que mientan
Quiero abrir las puertas del zoológico a los animales
Y encerrar allí a todos los oficiales criminales

Quiero que inventen ya la vacuna contra el racismo
Y que el planeta acepte que en el fondo to' somos lo mismo
Quiero que las municiones se conviertan en pan
Y que los superhéroes salgan de las series donde están

Yo quiero que la avaricia nunca le gane al honor
Y que la única religión en el mundo se llame amor
Hay muchas cosas que quisiera
Pero por los momentos me conformo con rapear hasta que me muera

Quiero hacer música de consciencia
Pa' esa gente que piensa
Que el rap no sirve
Yo les voy a demostrar
Lo verdadero, el son del ghetto
De este nuevo movimiento musical

Respeto pa'l rap latino les exijo aquí
De parte del campesino, Leandro en el beat
Ya que lleva tanto, ahora me toca hablar a mí
Si no me conoces investiga por ahí

Quiero hacer música, pero que no se baile
A menos que sea con el puño al aire
Samples, cajas, hihats, bases, voz
(Huadan, huadan) (Huadan, huadan)

Basta del irrespeto de racistas extranjeros
(Huadan, huadan) (Huadan, huadan)
Ya basta de que piensen que es delincuente el rapero
Mucho gusto a los presentes, mi nombre es Can

De Venezuela exactamente
Del país donde nació Lil Supa' y to'a mi gente
Donde el grupo Bas. Y. Co también es residente
Del país donde te pueden plomear de repente

Quiero hacer música, pero que no se baile
A menos que sea moviendo el cuello
Quiero hacer música, pero que no se baile
A menos que sea doblando el ceño

Mucho gusto a los presentes, mi nombre es Can
Mucho gusto a los presentes, mi nombre es Can
Mucho gusto a los presentes, mi nombre es Can

Muito prazer

Nasci na minha terra natal Venezuela, sim, no norte do sul
Ao lado da Colômbia, no meio do Atlântico azul
Onde o meio-dia é trinta e três graus acima
E as mulheres aqui são tão melhores que comida

Onde um carro novo custa pelo menos dez anos de salário
E uma casa custa pelo menos o preço de cem carros
Eu sou de um país com milhares de leis não cumpridas
Com sessenta mortes semanais só na capital

Portanto, poucas coisas me surpreendem
Eles me apontaram na cara para roubar um par de óculos
Eu vi a polícia matando pessoas inocentes
E eu já vi pessoas não inocentes sendo presidentes, entende?

Estou no rap desde os onze anos e não consegui parar desde então.
Eu escrevi muitas músicas
Eu improvisei bêbado em becos
E eu cantei seriamente diante de várias centenas de seguidores

Eu mostrei até os mais conservadores
Esse rap pode ser ouvido por jovens e velhos
Também que o rap não é apenas 'violência como eles acreditam
E que apesar de competirmos buscamos um bem não um fim

Muitos me veem e acham que é coisa de menino
Que eu uso drogas, que sou um tolo, que sou um bêbado
Sem saber quanto trabalho para pagar meu rancho
E que eu me eduque para ser mais um Dom Quixote do que um Sancho

Eu pareço louco em comparação com a maioria
Raramente saio, gosto mais do escuro do que do dia
Eu tenho um mau caráter e alguns problemas psicológicos
Eu não acredito na Bíblia, mas no raciocínio lógico

Eu venho de um bairro onde às vezes comia
A mesma massa todos os dias, com água às vezes nem fria
Mas ainda não tive fome, nada me foi dado
É por isso que estou frio como um soldado

Atualmente há pessoas que querem me assinar
Faça minha música de dança, me trate como uma boneca inflável
Eu respondo que prefiro comer um cabo
Que eu nunca vou mudar o que minha alma fala com você

Então levei metade da minha vida e não gostei
Farei de tudo para que essa música seja respeitada
De todo o planeta, porque agora é a hora
Implantar no ponto do verso a expressão real do gueto

Eu quero fazer música, mas não danço
Mas fica no coração e no ar
Eu quero morrer em cada verso que escrevo
E que eles me tragam de volta à vida com rap e a mão para cima

Eu não quero dormir, eu não quero poupar minhas forças
Espero que todos os governantes que mentem morram
Eu quero abrir as portas do zoológico para os animais
E tranque todos os policiais lá

Quero que inventem a vacina contra o racismo
E que o planeta aceite que no fundo somos todos iguais
Eu quero munição para virar pão
E que os super-heróis deixem a série onde estão

Eu quero que a ganância nunca ganhe a honra
E que a única religião do mundo se chama amor
Há muitas coisas que eu gostaria
Mas por enquanto estou contente em fazer rap até morrer

Eu quero fazer música de consciência
Para aquelas pessoas que pensam
esse rap é inútil
vou mostrar a eles
A verdade, o som do gueto
Deste novo movimento musical

Respeito pelo rap latino eu exijo de você aqui
Do camponês, Leandro na batida
Já que faz tanto tempo, agora é minha vez de falar
Se você não me conhece, olhe ao redor

Eu quero fazer música, mas não danço
A menos que seja punho no ar
Amostras, caixas, hihats, bases, voz
(Huadan, huadan) (Huadan, huadan)

Chega de desrespeito aos racistas estrangeiros
(Huadan, huadan) (Huadan, huadan)
Chega de pensar que o rapper é um criminoso
Muito prazer aos presentes, meu nome é Can

Da Venezuela exatamente
Do país onde Lil Supa' e todo o meu povo nasceram
Onde o grupo Bas. Y. Co também é residente
Do país onde eles podem de repente te sondar

Eu quero fazer música, mas não danço
A menos que esteja movendo seu pescoço
Eu quero fazer música, mas não danço
A menos que esteja dobrando a carranca

Muito prazer aos presentes, meu nome é Can
Muito prazer aos presentes, meu nome é Can
Muito prazer aos presentes, meu nome é Can


Posts relacionados

Ver mais no Blog