Es Épico

Canserbero

Original Tradução Original e tradução
Es Épico

Oh (oh), me falta el aire (me falta el aire)
Y el corazón tucum-tucum-tucum
Hoy (hoy), va a correr sangre (va a correr sangre)
Ya sé por dónde se mueve ese bum

Hoy, voy a convertirme en un criminal, ya no creo en nadie
A menos que me convierta en un muerto
Hoy, voy a vengar a mi hermano, como le juré a mi padre
Diente por diente, ojo por ojo, es esto

Una bicha prestada, porque no soy hampa
Pero la rabia que siento no escampa, es tanta que me ahoga
Nunca había huelido droga, pero ahora es necesario
Pa' cumplir con lo que el corazón me implora

Siento que se me sale el tórax, la moto a cien por hora
Pelo por la bicha y le grito: ¿Y ahora? (¿Y ahora?)
Todo pasa muy chola, en ráfagas, descargo a todo' esos malandros
Hasta que ya no escupe la pistola

Y el corazón tucum-tucum, tucum, tucum
Y las balas pacaum-pacaum, pacaum, pacaum
Y el corazón tucum-tucum, tucum, tucum
Y las balas pacaum-pacaum, pacaum, ey

Lloro de la arrechera, mientras en la acera caigo
Escucho a una señora que grita que mataron a Carlos
Solo ahí fue cuando sonreí aliviado, porque Carlos
Fue el bastardo que mató a mi hermano

Todo es confuso, escucho: Wiu, wiu, wiu
No veo bien y siento frío, frío, frío
Un tipo gritando: ¡El mío, el mío, el mío!
Hasta que ya no escuché na' más que un profundo silencio (un profundo silencio)

Varios segundos de calma, mi alma al lado de mi cuerpo (al lado de mi cuerpo)
Me dije: Aún no he ido al más allá
Siento un olor a perfume, veo una luz en un túnel
Un fuego que me consume se empezaba a ver atrás

No dejaré que me abrume el fuego
Seguiré hacia el túnel, pensé
Pero seguir, no pude, porque
Me halaron pa'trás, cayendo en picá'

Montañas negras de azufre con un olor a mierda
Cuerpos deformados que sufren, caí sobre una piedra
Un barco viejo con un viejo me esperaban
No me respondían nada, almas el barco golpeaban

Él me llevó donde Cerbero (ah)
Que dijo no morderme porque le gusta mi nombre de rapero, ja
Si lo ves de esa forma, pude tener suerte
Irónica es la vida, pero también irónica es la muerte

Me desperté ya sentado sobre un estrado
Y un jurado de malvados decidiría mi suerte
Recuerdo que fui golpeado y trasladado
A un sitio, en uno de los círculos con un montón de gente

¡Por vengativo y asesino, te quemarás por siempre
Por toda la eternidad, como castigo!
Vi muchos rostros conocidos y me sentí sorprendido
Porque no pensé que estuvieran conmigo

Personas que lucían buenas en el mundo
Como el Ché Guevara, incluso como Juan Pablo II (ajá)
Presuntos Dalai Lamas calcina'os con Mao
Y los difuntos Tafari Makonnen y Beethoven juntos

Me asombró mucho saber que estaban aquí
John F. Kennedy, Lenin, Mahoma y Joseph Smith (Joseph Smith)
César y Napoleón salieron de las llamas
Porque eran la misma persona que ahora es un tal Obama

No entendía nada, pregunté por Cristo
Y noté que se burlaban porque nadie lo había visto
Otros dijeron que fue un truco de su iglesia
Para gobernar al mundo con su majestuosa empresa

Charles Russel y Washington, José de San Martín y Gandhi
Yasir Arafat, Cristóbal Colón
Isabel de Inglaterra transformada en perra desnuda
Supe, incluso, estaban Bolívar y Buda

Son demasiadas dudas, pensamientos vagos
Gente buena en el infierno ¿o es que en algo fueron malos? (Malos)
Por algo están aquí, aunque no lo acepten
Debo hallar ahora una manera de huir de la muerte

Recordé que en la tierra donde había nacido
Existía una leyenda del Diablo con un tal Florentino
Obviamente un cuento, pero inteligente
Para irme de este infierno, infierno literalmente

Vociferé durante meses, que podía con el jefe
Recitando versos entre fuego y heces
Hasta que un día, apareció un viejo con traje
Que me dijo: Pierde y me llevo a tu padre de homenaje

Qué situación tan complicada en la que me encontraba
Pero yo nunca he sido de los que se cagan
Además, había compuesto demasiados versos
Que más la improvisación harían temblar al universo

¡Empieza! (¡Ey!)

¡Antes que nada, te maldigo!
¡Voy a hacer que sufras el peor de todos los castigos!
¿Cómo te atreves a retarme en castellano?
¡Y en este ritmo tan pobre como el suelo donde te has criado!

Con más razón, tú deberías avergonzarte
Perder un combate con un homo sapiens
Además, te explico: Se llama Venezuela donde nació este tipo
Y tú no puedes maldecirme, porque ya yo estoy maldito (¡ey!)

Eres muy peculiar, y mi deber es explicar
Que no puedes ganar porque yo lo sé todo
Domino los idiomas, los modos, la historia
Incluso sé los más recónditos miedos de tu memoria

Debo aclarar que hay un factor clave que olvidas
Los miedos se van en el momento en que pierdes la vida
Se dice que el amor masacra tus insultos
Pero yo te mataré con más odio, para ser justo (¡ey!)

¡A mí tú no me engañas, mediocre adversario!
¿Cómo hablar de odio si tu brazo grita lo contrario?
Tú le has mentido a todos tus seguidores
Con múltiples contradicciones en muchas de tus canciones

No entiendes nada a los humanos
Yo sueño con amor porque sé que, en el fondo, nosotros amamos
Si canto rabia, es para desahogar por dentro
Como cuando Cristo echó a los comerciantes de su templo (¡ey!)

¡De nuevo hablando tú de cosas que no sabes!
Eres un imitador como tu voz, la cual no es tan grave
Lo único grave es que te crean
Pero, aunque la mentira tiene patas, tarde o temprano, cojea

Me has conmovido ahora que te conozco más, Satanás
No comprendes el arte, tampoco la paz
Mi voz es bass, es más, esta es mi voz que Dios me dio de don
Para tenaz usarla cual daga en tu corazón (¡ey!)

¿Cómo puedes hablar de Dios si eres ateo?
En tus ojos lo veo, mientras mi candela te consume
Te recuerdo que Dios no existe, y lo que viste en aquel túnel
No fue más que simples ángeles comunes

Dudar y no creer es algo muy distinto
Y si dudo de Dios, es porque no lo he visto
Aun así insisto en recalcarte lo que contigo aprendí
Que reyes habrán muchos, pero siempre tienes que ir a ti (siempre)

Y el corazón tucum, tucum-tucum
Y el corazón tucum-tucum, tucum, tucum
Y el corazón tucum-tucum, tucum, tucum
Y el corazón tucum, tucum, tucum, tucum, tucum (uoh)

É Épico

Ô (ô), estou com falta de ar (com falta de ar)
E o meu coração está tumtum-tumtum-tumtum
Hoje (hoje), sangue será derramado (sangue será derramado)
Já sei de onde está vindo esse bum

Hoje, vou virar um criminoso, não acredito mais em ninguém
A menos que eu termine morto
Hoje, vou vingar o meu irmão, assim como jurei pro meu pai
Olho por olho, dente por dente, é isso

Uma arma empresta, porque não sou bandido
Mas a raiva que sinto não passa, é tanta que me sufoca
Nunca tinha usado droga, mas agora é necessário
Para fazer o que o meu coração implora

Siento que o meu peito vai explodir, a moto a cem por hora
Agarro a arma e grito: E agora? (E agora?)
Tudo acontece muito rápido, meto uma saraivada de tiros em todos esses malandros
Até que não reste nenhuma bala no revólver

E o meu coração está tumtum-tumtum, tumtum, tumtum
E as balas, papapapá-papapapá, papapapá, papapapá
E o meu coração está tumtum-tumtum, tumtum, tumtum
E as balas, papapapá-papapapá, papapapá, papapapá

Choro de raiva, enquanto caio na calçada
Escuto uma senhora gritando que mataram o Carlos
Só foi aí que sorri aliviado, porque Carlos
Foi o maldito que matou o meu irmão

Tudo é confuso, escuto o barulho da sirene
Não enxergo direito e sinto frio, frio, frio
Um cara gritando: Aqui, aqui, aqui!
Até que não ouvi nada além de um silêncio profundo (um silêncio profundo)

Vários segundos de calma, minha alma ao lado do meu corpo (ao lado do meu corpo)
Eu disse para mim mesmo: Ainda não cheguei no além
Sinto um cheiro de perfume, vejo uma luz no fim do túnel
Um fogo que me consume começou a aparecer por atrás

Não deixarei que o fogo me derrube
Continuarei até o fim do túnel, pensei
Mas não consegui avançar, porque
Me puxaram para trás, caindo de costas

Montanhas escuras de enxofre com fedor de merda
Corpos deformados que sofrem, caí sobre uma pedra
Um barco velho com um velho esperavam por mim
Não me respondiam nada, almas golpeavam o barco

Ele me levou onde estava Cérbero (ah)
Que disse que não me morderia porque gosta do meu nome de rapper
Vendo por esse lado, eu tive sorte
A vida é uma ironia, mas a morte também é irônica

Já acordei sentado em um estrado
E um júri de malvados decidiria meu futuro
Lembro que fui espancado e transferido
Para um lugar, em um dos círculos com um monte de gente

Por ser vingativo e assassino, você queimará no inferno
Por toda a eternidade, como castigo!
Vi muitos rostos conhecidos e fiquei surpreso
Porque não pensei que estariam ali comigo

Pessoas que pareciam boas no mundo
Como Che Guevara e até o papa João Paulo II (aham)
Corpos de Dalai Lamas junto com Mao
E os defuntos de Tafari Makonnen e Beethoven juntos

Fiquei muito chocado quando soube que estavam aqui
John F. Kennedy, Lenin, Maomé e Joseph Smith (Joseph Smith)
César e Napoleão saíram das chamas
Porque eram a mesma pessoa que é um tal de Obama agora

Não entendia nada, perguntei por Jesus Cristo
E percebi que riam porque ninguém nunca o vira
Outros disseram que era um truque da igreja
Para governar o mundo com sua majestosa empresa

Charles Russel e Washington, José de San Martín e Gandhi
Yasir Arafat, Cristóvão Colombo
A princesa Isabel transformada numa cadela nua
Fiquei que sabendo que Simón Bolívar e Buda também estavam ali

São muitas dúvidas, pensamentos vagos
Gente boa no inferno, ou fizeram algo de errado? (Errado)
Estão aqui por alguma razão, ainda que não aceitem
Devo achar agora um jeito de fugir da morte

Lembrei que na cidade em que eu nasci
Existia uma lenda chamada Florentino e o Diabo
Obviamente era um conto, mas uma história inteligente
Que me ajudaria a sair desse inferno, um inferno literalmente

Durante meses, vociferei que eu podia enfrentar o chefe
Recitando versos entre o fogo e a escória
Até que um dia, apareceu um velho de terno
Que me disse: Se você perder, matarei seu pai como prêmio

Que situação tão complicada essa em que eu me encontrava
Mas eu nunca fui do tipo que amarela
Além disso, eu tinha escrito muitos versos
Que, junto com o improviso, fariam o universo tremer

Valendo! (Ei!)

Antes de qualquer coisa, eu te amaldiçoo!
Vou te castigar da pior forma possível!
Como você tem coragem de me enfrentar em espanhol?
E com esse estilo tão pobre quanto a terra em que você foi criado!

Mais um motivo para você sentir vergonha
Perder um combate contra um homo sapiens
Além do mais, te explico: A terra em que eu nasci se chama Venezuela
E você não pode me amaldiçoar, porque eu já estou amaldiçoado (ei!)

Você é bem peculiar, e é meu dever explicar
Que tem como você gahar porque eu já sei de tudo
Domino todos os idiomas, os jeitos, a história
Inclusive, conheço os maiores medos escondidos na sua memória

Devo esclarecer que você está deixando de fora um fator-chave
Os medos desaparecem assim que você perde a vida
Dizem que o amor massacra os seus insultos
Mas eu te matarei com mais ódio, para ser justo (ei!)

Você não me engana, adversário medíocre!
Como você vai falar de ódio se o seu braço grita o contrário?
Você mentiu para todos os seus seguidores
Com várias contradições em muitas das suas músicas

Você não entende nada de humanos
Eu sonho com o amor porque sei que, no fundo, nós nos amamos
Se eu canto com raiva, é para desabafar o que sinto
Tipo quando Cristo expulsou os comerciantes do templo dele (ei!)

Outra vez você falando de coisas que não sabe!
Você só repete o que ouve, igual sua voz, que não é tão grave
A única coisa grave é que te deem confiança
Mas, embora a mentira tenha pernas curtas, cedo ou tarde, ela te derruba

Você me comoveu agora que te conheço mais, Satanás
Você não entende a arte, muito menos a paz
Minha voz é o baixo, não só isso, minha voz é o dom que Deus me deu
Para usá-la de maneira tenaz, como uma adaga no seu coração (ei!)

Como você pode falar de Deus, sendo que você é ateu?
Posso ver nos seus olhos, enquanto meu fogo te consome
Devo te lembrar que Deus não existe, e o que você viu naquele túnel
Não passava de simples anjos comuns

Duvidar e não acreditar são coisas bem diferentes
E se duvido de Deus, é porque ainda não o vi
Mesmo assim, insisto em frisar o que aprendi contigo
Que existem muitos reis, mas você sempre deve ser leal a si mesmo (sempre)

E o meu coração está tumtum, tumtum-tumtum
E o meu coração está tumtum-tumtum, tumtum, tumtum
E o meu coração está tumtum-tumtum, tumtum, tumtum
E o meu coração está tumtum, tumtum, tumtum, tumtum, tumtum (uô)

Composição: Canserbero
Enviada por Camila e traduzida por Francielly. Legendado por Killer_1701 e karol. Revisões por 7 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog