Adentro

Calle 13

Original Tradução Original e tradução
Adentro

Sé que mis rimas a veces causan disgusto
Cuando mis neuronas corren hasta yo mismo me asusto
Mis respuestas pueden ser tan agresivas
Que hasta las letras me huyen porque tienen miedo de que las escriba
No tengo rifles pa' matarte, solo basta con la pista
Convierto letras en ideas como un ilusionista
En una línea te mato, te fracturo, te lesiono
Y en la siguiente te resucito cuando te menciono
Eso es parte de mi arte que todo el mundo sepa
Que estas rimas son pa' ti sin tener que mencionarte
Y no lo hago para evitar el roce
Lo hago pa' no hacerte famoso en los países donde nadie te conoce
Después de ver como se mueven las guerras y las guerrillas
Tu crees que le voy a tener miedo a tu pandilla?
Dispara cuando quiera raperito maleantoso
Aquí no gana el más maleante, gana el más ingenioso

En tu cabeza tú eres un narco busca'o por la policía
Y tus pistolas son como los unicornios, de fantasía
No hay problemas en que tengas enemigos imaginarios
Pero sin en que los chamaquitos crean que eres un sicario
Tú no has vivido tres carajos de dificultades en tu vida
A ti no te faltó la escuela, no te faltó comida
Si la gente de congo hubiera tenido tus oportunidades
Estarían graduados en las mejores universidades
Si te llevo de excursión pa' la central africana
Luego de ver la guerra sales cantando líricas cristianas
Allá tu ropita de rapero, tu gorrita de beisibol
Y tu cadenita de maleante se derriten con el sol
O te llevo para Siria pa' que sintas los bombazos
Y vean como dejaron a los chamaquitos sin brazo
Que vas a hacer cuando a tu hijo lo pillen en la disco
Y sin delicadeza con una AK le exploten la cabeza?
Que le borren a la cara de tu hermano de forma violenta?
O que limpien a tu mai con la corta y la 40?
Tú eres bruto, cabrón, rapeando sobre como volar sesos
En un país donde te matan por robarte un peso
No soy un santo rapeando, mucho menos caballero
En algún momento rimando ahorqué a diez marineros
Pero en ese caso es diferente incitar al desorden
Porque cuando la tiranía es ley, la revolución es orden

Adentro, adentro
Bien adentro, te la dejé adentro

Me quieres tirar? Acá te dejo un par de acertijos
Le tengo miedo a las cucarachas y a los lagartijos
No me suenan hace un año en la fucking radio en puerto rico
Ya he sacado a cinco discos y todavía no soy rico
Unos me llaman comunista, demagogo, cien por cien
La ultra derecha me odia, la ultra izquierda también
Mi desempeño sexualmente está por el suelo
Después de bularme de los calvos
Me estoy quedando sin pelos
Le dije hijo de puta al gobiernador y aunque se lo merecía
En mi interior me arrepentí y no lo dije hasta hoy día
Antes de entender las desigualdades de las personas
Me compré um maserati usado que ahora no funciona
Tengo jodido al crédito, no me venden ni un café
Por eso pa' pagar otra mensualidad prefiero andar a pie
Soy como los boxeadores, manejo mal el dinero
Invierto todo en mi carrera, porque el arte va primero
Soy el más lento de mi familia, no soy brillante
Lucho por la educación y nunca fui buen estudiante
Le tengo fobia a los aviones,
Me gusta la política, aunque diga que no me importa
Me duelen las críticas
A mi mejor amigo lo mataron en un cuartel
Tengo mucho que escribir, y poco papel
Mi honestidad es color transparente
Me puedes ver por dentro con solo mirarme de frente
Puedes tratar de tirarme y hacer el intento
Aunque pa' seguir siendo honesto, yo soy el mejor en esto

Dentro

Sei que às vezes minhas rimas incomodam
Quando meus neurônios trabalham até eu me assusto
Minhas respostas podem ser tão agressivas
Que até as letras fogem de mim com medo de que eu as escreva
Não tenho rifles pra te matar, a melodia já basta
Converto letras em idéias como um ilusionista
Com uma linha te mato, te fraturo, te lesiono
E na próxima te ressuscito quanto te menciono
Isso faz parte da minha arte, que todo o mundo saiba
Que estas rimas são pra tu sem precisar te mencionar
Eu não faço isso pra evitar intrigas
Eu faço pra não te fazer famoso nos países onde ninguém te conhece
Depois de ver como funcionam as guerras e as guerrilhas
Você acha que eu vou ter medo de sua gangue?
Atire quando quiser raperzinho meliante
Aqui não ganha o mais bandido, ganha o mais esperto

Na sua cabeça você é um traficante procurado pela polícia
E suas armas são como os unicórnios, de fantasia
Não há problemas em que você tenha inimigos imaginários
Mas sim que os moleques achem que tu é um mercenário
Tu não passou por três porras de dificuldades na vida
Não te faltou escola, não te faltou comida
Se o povo de congo tivessem tido suas chances
Estariam formados nas melhores universidades
Se te levo de excursão pra a central africana
Depois de ver a guerra você sai cantando líricas cristãs
Lá tua roupinha de raper, teu bonezinho de beisebol
E tua correntinha de bandido se derretem com o sol
Eu te levo para síria pra que sinta os bombardeios
E veja como deixaram aos moleques sem braço
O que você vai fazer quando pegarem seu filho numa boate
E sem delicadeza com uma AK explodam sua cabeça?
Se apagarem teu irmão de forma violenta?
Ou se meterem bala na sua mãe com a curta e a 40?
Você é burro, escroto, rimando sobre como espalhar miolos
Em um país onde te matam por roubar um real
Eu não sou um santo rimando, muito menos cavalheiro
Alguma vez rimando enforquei dez marinheiros
Mas, nesse caso, é diferente incitar à desordem
Porque quando a tirania é lei, a revolução é ordem.

Dentro, dentro
Bem dentro, eu deixei em você bem dentro

Quer me xingar? Aqui deixo algumas pistas.
Tento medo de baratas e de lagartos
Não me tocam faz um ano na porra das rádios de porto rico
Já gravei cinco discos e ainda não sou rico.
Alguns me chamam de comunista, demagogo, cem por cem
A extrema-direita me odeia, a extrema-esquerda também.
Meu desempenho sexual está péssimo
Após zoar com os calvos
Eu estou ficando sem cabelo
Chamei de filho da puta o governador e ainda que merecesse
No fundo me arrependi e não disse isso até agora.
Antes de compreender as desigualdades das pessoas
Comprei um Maserati usado que agora não funciona
Tenho fodido o crédito, não me vendem nem um café
Por isso pra pagar outra mensalidade, prefiro andar a pé
Eu sou como os boxeadores, uso mal o dinheiro
Invisto tudo na minha carreira, porque a arte vai na frente
Eu sou o mais lento da minha família, eu não sou brilhante
Eu luto pela educação e nunca foi um bom aluno
Eu tenho fobia de aviões
Eu gosto de política, mesmo dizendo que não me importo
As críticas me machucam
Meu melhor amigo foi morto em um quartel
Eu tenho muito para escrever, e pouco papel
Minha honestidade é transparente
Pode me ver por dentro só me olhando de frente
Você pode tratar de me xingar e começar a tentar
Ainda que, pra continuar sendo honesto, eu sou o melhor nisso

Composição: Eduardo Cabra / René Pérez
Enviada por José e traduzida por José. Revisão por José.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog