Prepárame La Cena

Calle 13

Original Tradução Original e tradução
Prepárame La Cena

No soy un número, ni parte de una cifra
Aunque se paga por igual la misma tarifa
Todos caminamos con la misma camisa
Sin prisa, para mirar donde se pisa
No vale el tiempo pero valen las memorias
No se cuentan los segundos, se cuentan historias
La paciencia es lo que se cosecha
Mi calendario no tiene fecha
No estoy solo, ando con mis cinco sentidos
Acá el silencio se convierte en sonido
Todo lo malo que soñé, lo toqué
Pero esta tan oscuro que el miedo no se ve
Yo me huelo lo que siento por eso presiento
Que dentro del circuito me queda poco tiempo
En el próximo tren yo me monto
Prepárame la cena que regreso pronto

Prepárame la cena que regreso pronto
Prepárame la cena que regreso pronto
Prepárame la cena que regreso pronto
Prepárame la cena que regreso pronto

Yo miro para afuera y miro para adentro
La reclusión es mi punto de encuentro
Me ubican dentro de lo marginal
Pero en algún momento todos nos portamos mal
Y quien determina lo bueno y lo malo
Lo poco saludable y lo sano
De lo crudo a lo cocido hay una larga diferencia
Y cocinar termino medio no es ninguna ciencia
En esta vida me castigaste
Me robaste el tiempo, me recagaste
Mi culpabilidad es como una pecera vacía
Como juzgar al sol por salir de día
Si mis tristezas te causan alegrías
Es por que tus reglas son distintas a las mías
Creo en todo lo que veo
Y aunque soy ateo, rezo pa? que nunca me pase algo feo
Para soñar con mi partida y con tu llegada
No me hace falta un matre con almohada
Yo soy libre por que desde aquí yo vuelo
Solo toca despegarse del suelo

Prepárame la cena que regreso pronto
Prepárame la cena que regreso pronto
Prepárame la cena que regreso pronto
Prepárame la cena que regreso pronto

Prepare-me o Jantar

Não sou um número, nem parte de uma quantia
Ainda que se pague por igual a mesma tarifa
Caminhamos todos com a mesma camisa
Sem pressa, para olhar onde se pisa
Não vale o tempo, mas valem as memórias
Não se contam segundos, se contam histórias
A paciência é o que se colhe
Meu calendário não tem data
Não estou sozinho, ando com meus cinco sentidos
Aqui o silêncio se converte em som
Todo o mal que sonhei, o toquei
Mas está tão escuro que não se vê o medo
Eu farejo o que sinto por isso pressinto
Que dentro do circuito me resta pouco tempo
No próximo trem eu entro
Prepare-me o jantar, que eu volto logo

Prepare-me o jantar, que eu volto logo
Prepare-me o jantar, que eu volto logo
Prepare-me o jantar, que eu volto logo
Prepare-me o jantar, que eu volto logo

Eu olho para fora e olho para dentro
A prisão é meu ponto de encontro
Encontram-me dentro do marginal
Mas em algum momento todos nos comportamos mal
Y quem determina o bem e o mal
O pouco saudável e sadio
Do cru ao cozido há uma grande diferença
E cozinhar na média não é nenhuma ciência
Nesta vida me castigaste
Roubaste-me o tempo, me re-cagaste
Minha culpabilidade é como um aquário vazio
Como julgar o sol, por sair de dia
Se minhas tristezas te causam alegrias
È porque tuas regras são diferentes das minhas
Creio em todo o que vejo
E ainda que eu seja ateu, rezo pra que nunca me aconteça algo feio
Para sonhar com minha partida e com tua chegada
Não me faz falta um colchão com travesseiro
Eu sou livre porque desde aqui eu voo
Só falta se despregar do chão

Prepare-me o jantar, que eu volto logo
Prepare-me o jantar, que eu volto logo
Prepare-me o jantar, que eu volto logo
Prepare-me o jantar, que eu volto logo

Composição: Eduardo Cabra / René Pérez
Enviada por Deba e traduzida por Helder. Legendado por Helder. Revisões por 3 pessoas.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog