La Mauvaise Réputation

Georges Brassens

Original Tradução Original e tradução
La Mauvaise Réputation

Au village, sans prétention
J'ai mauvaise réputation
Qu'je m'démène ou qu'je reste coi
Je pass' pour un je-ne-sais-quoi!
Je ne fait pourtant de tort à personne
En suivant mon chemin de petit bonhomme
Mais les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux

Non les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Tout le monde médit de moi
Sauf les muets, ça va de soi
Le jour du quatorze juillet
Je reste dans mon lit douillet
La musique qui marche au pas
Cela ne me regarde pas

Je ne fais pourtant de tort à personne
En n'écoutant pas le clairon qui sonne
Mais les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Non les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Tout le monde me montre du doigt
Sauf les manchots, ça va de soi
Quand j'croise un voleur malchanceux
Poursuivi par un cul-terreux

J'lance la patte et pourquoi le taire
Le cul-terreux s'retrouv' par terre
Je ne fait pourtant de tort à personne
En laissant courir les voleurs de pommes
Mais les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Non les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Tout le monde se rue sur moi

Sauf les culs-de-jatte, ça va de soi
Pas besoin d'être jérémie
Pour d'viner l'sort qui m'est promis
S'ils trouv'nt une corde à leur goût
Ils me la passeront au cou
Je ne fait pourtant de tort à personne
En suivant les ch'mins qui n'mènent pas à rome
Mais les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Non les brav's gens n'aiment pas que
L'on suive une autre route qu'eux
Tout l'mond' viendra me voir pendu
Sauf les aveugles, bien entendu

A Má Reputação

No povoado, sem pretensão
Eu tenho má reputação
Se eu me movo ou se fico quieto
Eu passo por um nem-sei-o-que!
Eu, de qualquer forma, não incomodo ninguém
Ao seguir o meu caminho de homem simples
Mas a pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas

Não, as pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Todo mundo fala mal de mim
Exceto os mudos, óbvio
No catorze de julho
Eu fico na minha cama aconchegante
A música que conduz a marcha
Não me interessa

Eu, de qualquer forma não incomodo ninguém
Não escutando o clarim que ressoa
Mas a pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Não, as pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Todo o mundo me mostra o dedo
Exceto os manetas, óbvio
Quando eu cruzo com um ladrão azarento
Perseguido por um camponês

Eu passo a perna e por que o silêncio
O camponês cai por terra
Eu, de qualquer forma não incomodo ninguém
Ao deixar correr os ladrões de maçãs
Mas as pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Não, as pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Todo mundo ri de mim

Exceto os aleijados, óbvio
Nem é preciso ser um profeta
Para adivinhar a sorte que me é prometida
Se eles acharem uma corda que lhes agrade
Eles a passarão no meu pescoço
Eu, de qualquer forma, não incomodo ninguém
Ao seguir os caminhos que não levam à Roma
Mas as pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Não, as pessoas bravas não gostam que
A gente siga um outro caminho que não o delas
Todo mundo virá me ver na forca
Exceto os cegos, bem entendido

Composição: Georges Brassens
Revisão por Madeleine.
Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog