LETRAS.MUS.BR - Letras de músicas

Examinando letras

Explica Raul: análise da letra “Metamorfose Ambulante”, do Maluco Beleza

Por Lorena Camilo

19 de Junho de 2019, às 07:00


Raul Seixas, o Maluco Beleza, nasceu há 10 mil anos atrás em 1945, e apesar de ter falecido há 30 anos, a obra do músico, compositor, cantor e um dos irreverentes representantes do rock no Brasil continua viva até hoje.

Cantor Raul Seixas
Créditos: Divulgação

E já virou tradição gritar “TOCA RAUL” e em seguida pedir Metamorfose Ambulante, um de seus maiores hits. Mas você já parou para pensar em como essa canção é irônica e cheia de paradoxos? Pensando em como a letra por si só é uma metamorfose, o Letras decidiu analisar verso por verso para você!

A metamorfose de Raul

Uma informação super interessante: você sabia que o Raul se envolveu com ocultismo, prestou vestibular para Direito, e  se interessava bastante por Filosofia, História, Literatura, Latim e Psicologia? Talvez seja por isso que há diversas reflexões em suas composições, que são aliadas a melodias que misturam rock, ritmos nordestinos, baião, rock psicodélico, folk e blues.

Uma de suas composições, conhecida por ser bastante emblemáticas é Metamorfose Ambulante.

Análise verso a verso de Metamorfose Ambulante

Que tal desmistificarmos verso por verso dessa letra? É só acompanhar!

Prefiro ser essa metamorfose ambulante
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

Para entender a letra num todo, temos que prestar atenção ao significado das palavras metamorfose e ambulante separadas, e depois nas duas juntas.

Metamorfose quer dizer aquilo que muda constantemente, tanto na forma quanto na estrutura, no hábito e na natureza. Já ambulante é algo que se locomove, perambula e migra sem se manter em um lugar fixo.

Então a junção dessas duas palavras: metamorfose + ambulante, quer dizer que a pessoa prefere mudar sem se preocupar onde está naquele exato momento, contanto que continue se transformando.

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Neste trecho fica evidente como as coisas são relativas. Isso quer dizer que não existe um único ponto de vista com uma verdade absoluta, e sim que podem existir diferentes perspectivas, reflexões e considerações.

Além disso, remete à ideia de quão ruim é se acomodar apenas em uma ideologia, seja ela social, política, cultural e etc. Estar aberto a diferentes ideias pode abrir mentes!

Eu quero dizer agora o oposto do que eu disse antes
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Peraí! Se ele quer dizer o oposto, significa que ele quer dizer o contrário? E que opinião velha é essa? 🤔

Quando ele diz que quer dizer o oposto de antes, é porque ele mudou de ideia. Mas o oposto não é necessariamente o contrário do que ele disse antes, mas sim uma opinião completamente diferente do que ele falou e pensou pela primeira vez. Ou seja, continua sendo uma metamorfose ambulante, porque a ideia se transformou e não é mais a mesma.

Sobre o que é o amor
Sobre o que eu nem sei quem sou

Nesse verso o compositor traz duas coisas que fazem o ser humano refletir bastante: o amor e a existência. Afinal, “ser ou não ser, eis a questão.”

Esses dois sentimentos mostram a fragilidade do ser humano, falam sobre como as coisas não são exatas e sobre como a teoria pode ser bem diferente da prática quando lidamos com sentimentos profundos.

Se hoje eu sou estrela, amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio, amanhã lhe tenho amor
Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator

Nesses versos o compositor expressa como o ser humano e os sentimentos são momentâneos. Ou seja, eles duram muito pouco tempo, não são duradouros e permanentes. Tipo a estrela, que um dia está brilhando, e no outro se apagou.

De uma forma bem direta: hoje é de um jeito, amanhã é de outro; um dia odeia, no outro ama, depois volta a odiar; passa a sentir aversão; faz amor; finge sentir e depois realmente sente. Inconstância? Temos!

É chato chegar a um objetivo num instante
Eu quero viver nessa metamorfose ambulante

Sabe quando tem aquela situação que é preciso refletir? Quando se tem um objetivo e tem que pensar em como torná-lo realidade? É sobre isso que o compositor diz neste verso! Como às vezes as pessoas optam pelo mais fácil para atingir seu objetivo, mas sem analisar todas as possibilidades. E o chato para o compositor é isso: acontecer algo, refletir e já pensar de forma óbvia.

Essa parte da letra fala sobre como é libertador ter um pensamento próprio. Não por ser diferente da maioria, mas por ser pessoal e crítico.

Eu vou desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Olha o compositor fazendo um jogo de palavras de forma irônica de novo! 😂 Agora ele diz: “Eu vou desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes.” O que ele quer dizer com isto? 🤔

Nesse verso ele reforça o posicionamento de se permitir refletir e mudar de ideia, como é contra a imposição e a favor da transformação. O que foi dito pode ser desdito e x pode se transformar em y.

Conhecendo um pouco da trajetória ambulante do Maluco Beleza

A carreira de Raul Seixas iniciou-se em 1962 quando fundou, junto com os irmãos Délcio e Thildo Gama, o grupo Os Relâmpagos do Rock, em que ficaram conhecidos como cantores de “música de cowboy” após se apresentarem em um programa na TV Itapoan.

Em 1964 passaram a se chamar The Panthers, depois modificaram para Raulzito e Os Panteras. Quatro anos depois, em 1968, a banda assinou um contrato com a gravadora EMI-Odeon para gravarem o primeiro e único disco, que levou o mesmo nome da banda. Único, pois o disco não teve sucesso nem pela crítica e nem pelo público.

Capa do disco Raulzito e Os Panteras
Capa do disco Raulzito e Os Panteras / Créditos: Divulgação

O ano de 1970 chegou e foi um divisor de águas na vida de Raul. Ele conheceu Evandro Ribeiro, diretor da CBS, atualmente Sony Music, se mudou para o Rio de Janeiro com a sua esposa Edith, começou a trabalhar como produtor de discos na gravadora e criou músicas de grande sucesso para vários artistas.

Em 1971, com o incentivo de Sérgio Sampaio, Raul produziu e lançou o LP Sociedade de Grã-Ordem Kavernista, que foi uma compilação de vários artistas que cantavam suas músicas em faixas separadas. No ano seguinte, novamente incentivado por Sampaio, Seixas participou do VII Festival Internacional da Canção para cantar Eu Sou Eu, Nicuri É O Diabo e Let Me Sing, Let Me Sing travestido de Elvis Presley, uma de suas influências.

Capa do LP Sociedade de Grã-Ordem Kavernista
Capa do LP Sociedade de Grã-Ordem Kavernista / Créditos: Divulgação

O sucesso chegou mesmo depois do lançamento do disco Krig-ha, Bandolo!, em 1973, cuja música principal era Ouro de Tolo.

Contudo, em 1980 a carreira e a vida de Raul começaram a passar por altos e baixos por conta de seu quadro depressivo e das tentativas de tratamento por conta do alcoolismo, além de assinar e logo depois quebrar e rescindir alguns contratos com gravadoras.

Infelizmente, na manhã do dia 21 de agosto de 1989, Raul Seixas foi encontrado morto sobre a cama, por volta das oito horas da manhã em seu apartamento em São Paulo, vítima de uma parada cardíaca.

Agora que você já conhece um pouco da trajetória de Raul Seixas e da filosofia por trás de Metamorfose Ambulante, pega o seu fone e aperte a play para curtir a nossa seleção de músicas do rock brasileiro que embalaram os anos 70. 🎧🔊

Playlist Rock Brasil Anos 70

Curte análises de músicas? Talvez você goste desses posts: